Médicos decidem amanhã sobre retirada de agulhas

A equipe médica do Hospital Ana Neri, em Salvador (BA), só deve decidir amanhã os procedimentos que serão adotados no caso do menino de 2 anos encontrado com diversas agulhas no corpo. De acordo com o diretor médico do hospital, Francisco Reis, provavelmente a criança será submetida a cirurgia para a retirada dos objetos.

Agência Estado |

"Pelo menos os que estiverem ameaçando órgãos vitais", disse. No início da noite, o hospital divulgou um boletim médico sobre o caso. De acordo com o documento, o estado de saúde do menino é estável. "A criança corre, sim, risco de morte", explica Reis. "Apesar disso, ele está consciente, respira sem ajuda de aparelhos e conversa. Só reclama de dores. Faremos o que for possível para poupar essa criança de sofrimento."

O boletim diz que, ao longo do dia, o menino foi submetido a tomografias de tórax, abdome e coluna "para identificação precisa dos corpos estranhos". Além disso, passou por um ecocardiograma. "No momento, (o paciente) está em uso de antibióticos e antitérmicos", segundo o documento.

O menino foi transferido na manhã de hoje do Hospital do Oeste, em Barreiras - divisa da Bahia com Tocantins -, onde estava desde a noite de domingo, para Salvador. De acordo com o cirurgião pediátrico Fábio Contelli, que acompanhava a evolução do quadro de saúde da criança e estudava a possibilidade de operá-lo para retirar as agulhas na própria unidade, a decisão de transferir o menino foi tomada depois de constatada a proximidade de duas agulhas do coração. A viagem para a capital baiana foi feita em uma Unidade de Terapia Intensiva (UTI) aérea. Acompanharam o menino uma equipe de paramédicos e a mãe dele, Maria Souza Santos.

Padrasto

O padrasto da criança, o auxiliar de serviços gerais Roberto Carlos Magalhães, de 30 anos, foi transferido da carceragem da Delegacia de Ibotirama, onde estava preso, para outra cidade na região, não revelada. A transferência, realizada na manhã de hoje, foi decidida depois de cerca de 200 pessoas tentarem invadir o local, durante a madrugada e o início da manhã, para agredir Magalhães.

Na noite de ontem, ele confessou ser o responsável por inserir os objetos no enteado ao delegado Hélder Fernandes Santana. Na manhã de hoje, Santana deu detalhes sobre o depoimento. De acordo com ele, Magalhães alegou que praticou os atos com a ajuda de sua suposta amante, Angelina Ribeiro dos Santos, de 47 anos.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG