Médico pouco valoriza as queixas de cólica menstrual, diz pesquisador

A cólica menstrual pode ser o principal indício de endometriose, mas os profissionais não dão a devida importância ao problema, segundo o ginecologista e coordenador do Ambulatório de Endometriose e Dor Pélvica da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), Eduardo Schor. De acordo ele, alguns estudos mostram que os primeiros sintomas ocorrem entre os 16 e 20 anos de idade, mas o diagnóstico somente é fechado oito ou dez anos depois”, destaca.

Agência Estado |

A endometriose é caracterizada pela presença do tecido que reveste o interior do útero fora da cavidade uterina. O endométrio pode se alojar em órgãos da pelve como trompas, ovários, intestinos ou bexiga. O especialista explica que, quando acontece o diagnóstico tardio, apenas 40% das mulheres obtêm sucesso com o tratamento. "Os outros 60% restantes acabam necessitando de cirurgia que, geralmente, são mutiladoras e a mulher pode perder ovários, parte do intestino ou trompas”.

A endometriose, além de dificultar uma gravidez, pode levar a infertilidade. Estimativas indicam que 10% a 15% das brasileiras, cerca de seis milhões de mulheres, enfrentam o problema. As queixas de cólicas nos consultórios ginecológicos acabam, na maioria das vezes, resolvidas com a indicação de antiespasmódicos e anti-inflamatórios.

Schor explica que, quando a doença é diagnosticada precocemente, em cerca de 90% dos casos é possível tratar clinicamente, suspendendo a menstruação com o uso contínuo de pílulas anticoncepcionais, dispositivos intrauterinos (DIU) com hormônios ou injeções. “Na fase inicial, uma gravidez também pode funcionar como tratamento, mas como as mulheres estão engravidando cada vez mais tarde por conta do seu papel no mercado de trabalho, a incidência e a agressividade da doença só vem aumentando”, diz.

AE

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG