Masp inicia o ano com reforma de prédio anexo

O prédio deteriorado ao lado do Museu de Arte de São Paulo Assis Chateaubriand (Masp), na Avenida Paulista, 1.510, pivô de entrave judicial e de problemas com os órgãos que defendem o patrimônio histórico, começou a ser reformado no início de janeiro para abrigar novas instalações da instituição.

Agência Estado |

Vai ser o Masp Vivo, no qual cinco ou seis de seus andares funcionará a Escola do Masp, a parte administrativa do museu, além de compreender espaços expositivos. A reforma está orçada em R$ 15.425.758,61, valor ainda a ser aprovado pela Lei Rouanet.

O Masp terá de correr para concretizá-la porque, pelo acordo conciliatório com a empresa Vivo de telefonia celular, publicado em novembro de 2009, seu compromisso é deixar o prédio pronto em até 27 meses, ou seja, em 2012. Se não fosse o acerto, o museu teria de devolver os R$ 13 milhões que a empresa patrocinou para a compra do edifício.

O Masp Vivo não será o mirante de 125 metros de altura em plena Avenida Paulista tal era o polêmico projeto inicial que culminaria em seu topo com uma torre com destaque para o nome da empresa de telefonia, mas terá 70 metros, que é o gabarito permitido para as construções da região. "A ideia da torre morreu com a Lei Cidade Limpa. Mudamos as contrapartidas do acordo, então, o edifício vai se chamar Masp Vivo. No térreo vai ter uma área expositiva para a empresa, com patrocínio deles e montagem e projeto curatorial nosso, e eles vão poder usar o espaço para eventos", diz o arquiteto Luiz Pereira Barreto, membro da diretoria do museu desde 1994. O Masp, em 2009, recebeu 679.106 visitantes, sendo um dos mais visitados do País. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG