Está marcada para esta segunda-feira à tarde na Fundação Bienal de São Paulo, a posse de Heitor Martins como presidente da diretoria-executiva da entidade e a apresentação dos sete novos conselheiros: Alfredo Egydio Setúbal, Carlos Jereissati, José Olympio Pereira, Paulo Sérgio C. Galvão Filho, Susana L. Steinbruch, Tito E. Da Silva Neto e Cacilda Teixeira da Costa.

Na ocasião, Moacir dos Anjos, curador-geral da 29ª Bienal, marcada para 2010, apresentará o projeto da mostra aos conselheiros.

No dia 17, o Ministério Público do Estado de São Paulo (MPE) enviou à Bienal um documento pedindo esclarecimentos sobre a entrada dos conselheiros sugeridos por Martins; os nomes de sua diretoria (perguntando quantos seriam estatutários); e sobre o contrato do evento SP Arte - Feira Internacional de Arte de São Paulo, dirigida por Fernanda Feitosa, mulher de Martins, firmado antes de sua eleição, com a Bienal de São Paulo.

O presidente do Conselho Administrativo da Fundação Bienal, Miguel Alves Pereira, mandou uma longa resposta no dia 21. Até junho de 2010, a Bienal terá, portanto, 60 conselheiros e depois, passando para 40 (10 deles vitalícios), como prevê seu novo estatuto.

Martins também já se encontrou com a promotora Ana Maria de Castro Garms, da Curadoria de Fundações do MPE, que assinou o documento. Acho importante formalizar publicamente as questões, diz o diretor-presidente da Bienal.

Em agosto será anunciada a equipe que vai trabalhar com Moacir: um arquiteto, um designer gráfico, curador de arte educação, um cocurador brasileiro e três ou quatro internacionais. A prefeitura de São Paulo já liberou verba de R$ 1,8 milhão e foram feitas captações de R$ 700 mil (do Banco ABC e da Oi). No dia 1º de setembro será realizado na Bienal jantar para arrecadar fundos: terá entre 400 a 500 convidados, cada um fazendo contribuição de R$ 2,5 mil.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.