Por Eduardo Simões NITERÓI (Reuters) - Atrair a atenção para a chamada Amazônia azul, os 4,5 milhões de quilômetros quadrados dos mares brasileiros, é um dos principais objetivos da Marinha brasileira com a grande operação militar lançada nesta sexta-feira.

As manobras simularão uma guerra pelo controle de campos de petróleo, dutos e refinarias no litoral de São Paulo, Rio de Janeiro e Espírito Santo.

Com mais de 10 mil militares somente na frente operacional, além de 17 navios, 40 aeronaves e pouco mais de 300 viaturas militares, os oficiais esperam que o exercício coloque as riquezas marítimas do Brasil sob os holofotes.

'A 'Amazônia azul' é tão importante quanto a Amazônia verde. Não mais importante, mas tão importante quanto', disse o almirante Edlander Santos, comandante da operação.

Durante o exercício, o 'país verde' --composto por Rio de Janeiro, norte de São Paulo e partes de Minas Gerais e Goiás-- atacará o 'país amarelo' --Bahia e Espírito Santo-- para garantir o domínio sobre as megadescobertas petrolíferas da Petrover, estatal fictícia do 'país verde'.

A localização das manobras não foi aleatória. Na área se encontram recentes descobertas de petróleo pré-sal da Petrobras, que podem transformar o Brasil num dos grandes produtores de petróleo do mundo.

Segundo o almirante Edlander Santos, o exercício também trará respostas para perguntas envolvendo eventuais carências na defesa dessa área.

'Será que temos os navios e os meios necessários para proteger esses 4,5 milhões de quilômetros quadrados?', perguntou. 'Vamos verificar.'

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.