NATAL - O 3º Distrito Naval no Rio Grande do Norte anunciou hoje o resgate do navegador solitário José Toledo Piza, 50 anos, que após um acidente a bordo de seu barco a remo, ficou à deriva no Oceano Atlântico, a uma distância aproximada de 1.370 quilômetros de Natal. A embarcação do navegador Oceanite emborcou devido ao mau tempo e machucou o braço esquerdo de José Piza, que ficou impedido de navegar.

Segundo nota oficial divulgada nessa tarde pela Marinha, "após o acidente, o tripulante entrou em contato com o Salvamar Nordeste, que é o órgão da Marinha responsável por coordenar a salvaguarda da vida humana no mar na área em que a embarcação se encontrava, pedindo socorro, uma vez que estava sem condições de continuar, por conta própria, a sua viagem, devido a uma possível fratura no braço esquerdo".

Segundo a Marinho, foi o Salvamar Nordeste que assumiu a coordenação da operação de socorro, determinando ao Navio-Patrulha "Graúna", Navio de Serviço Distrital, que estava atracado na Base Naval de Natal, que se dirigisse até o local para prestar o socorro. Nesta segunda-feira à tarde, o Navio-Patrulha "Graúna" chegou ao Arquipélago de São Pedro e São Paulo, e transferiu o tripulante para bordo, onde o Oficial Médico do Navio prestou o primeiro atendimento.

O navio neste momento navega em direção a Natal, devendo atracar amanhã pela manhã, na Base Naval de Natal. O navegador solitário José Toledo Piza está sendo acompanhado pelo Médico do Navio e passa bem. Existe a suspeita de fraturas em uma das costelas e no ombro esquerdo. O objetivo do navegador era quebrar o recorde de travessia marítima do Atlântico, da cidade de Dakar, no Senegal, até a cidade de Santos, cerca de 3.000 quilômetros, que atualmente é do francês Charles Hedrich, com um tempo de 36 dias e 6 horas.

Leia mais sobre: náufrago

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.