Marina Silva anuncia coordenação de campanha este mês

SÃO PAULO (Reuters) - O comando da campanha de sucessão presidencial da senadora Marina Silva (PV-AC) reuniu-se nesta quinta-feira para definir os coordenadores que atuarão nas diversas áreas da eleição. A própria Marina esteve em São Paulo para participar do encontro.

Reuters |

O anúncio dos integrantes será feito pela senadora até 20 de janeiro. O trabalho será dividido entre os 21 coordenadores que foram oficializados em dezembro, indicados pela própria legenda e pela senadora.

"Cada um pode ficar com mais de uma área", disse à Reuters Marco Antonio Mroz, secretário nacional de Relações Internacionais do PV e um dos coordenadores.

Para o comando da campanha está cotado Eduardo Jorge, atual secretário do Verde e do Meio Ambiente do município de São Paulo. Seu nome, no entanto, não é confirmado pelos dirigentes do PV.

Mroz disse que ainda não está definido nem se haverá um coordenador-geral, enquanto Alfredo Sirkis, vereador no Rio de Janeiro e vice-presidente do PV, confirma a existência do cargo. Fonte ligada à campanha afirma que Jorge teria a aprovação de Marina.

Sua escolha para o posto poderia ser interpretada como um elo entre a campanha de Marina e os tucanos, o que os verdes negam.

"Não existe isso, é plantação. É uma ação para criar confusão. Não existe hipótese de a Marina não ser candidata. Agora, existe respeito do PV às candidaturas da ministra Dilma Rousseff (Casa Civil) e do governador (de São Paulo, José) Serra. São nossos concorrentes e serão tratados de forma respeitosa", disse Sirkis, que estava em São Paulo para participar do encontro.

Jorge foi indicado para a secretaria por Serra (PSDB), quando ele administrava a capital paulista, e foi mantido pelo prefeito Gilberto Kassab (DEM).

No PV desde 2003, Jorge é egresso do PT. Ele foi secretário do município de São Paulo nas gestões de Luiza Erundina e de Marta Suplicy, ambas petistas.

Para o secretário de Relações Internacionais do PV, o partido quer construir seu próprio destino. "Nossa perspectiva é chegar no segundo turno. A ideia é não fazer parte dos dois projetos, que são mais do mesmo", disse Mroz.

Entre as áreas de atuação na campanha estão a administração, comunicação, financeira, política, e de regionalização, neste caso para cuidar dos palanques estaduais. Sirkis explicou que boa parte do trabalho foi de análise de currículos de profissionais que atuarão junto às coordenações.

Já o secretário do PV admite que este período tem dificuldades, principalmente financeiras, uma vez que apenas a partir de julho é possível iniciar a arrecadação de recursos.

Marina tem 8 por cento na mais recente pesquisa de intenção de votos do Datafolha, liderada por Serra e por Dilma (PT).

    Leia tudo sobre: marina silva

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG