Mantega sinaliza que remuneração da poupança cairá

BRASÍLIA (Reuters) - O ministro da Fazenda, Guido Mantega, sinalizou na quinta-feira que o governo reduzirá a remuneração da poupança. Segundo ele, como a Selic tende a cair para um patamar próximo ao da taxa de remuneração da poupança, o governo quer evitar o risco de ocorrer uma migração de grandes investidores e investimentos em renda fixa para a poupança. Mantega se negou a detalhar as medidas que estão em estudo pelo seu ministério e pelo Banco Central.

Reuters |

"Vamos fazer um ajuste, mas o presidente já determinou que a gente garanta todos os pequenos investidores, que são 95 por cento da caderneta", afirmou Mantega a jornalistas depois de se reunir com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva e com o presidente do Banco Central, Henrique Meirelles.

"É claro que não pode ser a mesma, porque senão não muda nada", respondeu o ministro, quando perguntado se a rentabilidade da poupança seria mantida.

O ministro disse que atualmente o governo enfrenta um dilema, pois, diferentemente do que ocorre com os juros, a remuneração da poupança é a "única taxa" que não tem caído no país.

"Chega uma hora que nós temos que nos acostumar no Brasil com taxas de juros menores. O mundo todo hoje está vivendo com taxas de juros menores", comentou.

Leia mais sobre: poupança 



(Reportagem de Fernando Exman)

    Leia tudo sobre: mantega

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG