Mantega quer juro ainda menor para retorno do crédito

BRASÍLIA, 4 de maio - O ministro da Fazenda, Guido Mantega, afirmou nesta segunda-feira que a economia experimenta recuperação do crédito e previu uma redução ainda maior da taxa de juros básica da economia. O crédito está melhorando, não ainda o desejado. Estamos lentamente recuperando o crédito. A taxa de juros está caindo, mas ainda não o necessário. Deverá cair mais para que o crédito seja alcançado por aqueles que precisam disso, disse Mantega a jornalistas.

Reuters |

A taxa básica de juros foi reduzida novamente na semana passada em 1 ponto percentual e está em 10,25 por cento ao ano.

Mantega foi designado pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva para ser o porta-voz da reunião de coordenação política realizada nesta manhã, quando os temas econômicos foram dominantes.

O ministro afirmou que a redução de imposto foi positiva e que esses setores estão reagindo bem. Nos últimos meses, o Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) foi cortado para veículos e material de construção.

Ele descartou, no entanto, novas desonerações tributárias. "No momento nós não estamos cogitando novas reduções de IPI. Aquilo que tinha de ser feito foi feito", disse Mantega.

DÍVIDA E VETO

O ministro ameaçou com veto presidencial a aprovação pelo Congresso da medida provisória que anistia e renegocia dívidas com a Receita Federal, mas não descartou uma negociação prévia.

A MP 449, de autoria do Executivo, pretendia anistiar devedores de até 10 mil reais, mas em seu trajeto pelo Congresso foram acrescentadas renegociações dos débitos com a União que extrapolaram e ampliaram seu objetivo inicial.

Ela foi aprovada pela Câmara e modificada pelo Senado, por isso retorna a votação dos deputados.

"O Ministério da Fazenda não deseja fazer um novo Refis (programa de recuperação fiscal). Essa é que é a verdade. Estamos buscando chegar a um ponto de equilíbrio de modo que a proposta que venha do Congresso não seja vetada por nós", disse Mantega.

"O limite da Fazenda é que não caia a nossa arrecadação em função desse novo Refis", explicou.

Em relação à anunciada mudança no cálculo da caderneta de poupança disse que ainda não há decisão, mas o governo tem em mente proteger os pequenos investidores. A sinalização é de que o rendimento cairá na poupança.

Mantega disse ainda que houve uma avaliação do atual momento econômico e que o governo está percebendo uma melhora da economia mundial e da brasileira.

(Reportagem de Fernando Exman)

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG