Mantega: alta do real preocupa, mas tem lado positivo

SÃO PAULO (Reuters) - O ministro da Fazenda, Guido Mantega, afirmou nesta sexta-feira que a valorização recente do real é preocupante, mas, por outro lado, mostra que o Brasil é atraente para os investidores estrangeiros, que diante dos primeiros sinais de melhora na crise mundial optaram por apostar no país. Ele disse ainda que o governo não discutiu uma eventual mudança na meta de inflação de 2011, mas que, no momento, não vê necessidade de um movimento nesse sentido.

Reuters |

"A valorização do câmbio resulta do entusiasmo dos investidores com o Brasil, porque o Brasil oferece condições mais estáveis e seguras e as facilidades necessárias, (mas) a valorização atrapalha o setor produtor, exportador e de agricultura, e de fato é fator de preocupação", afirmou ele a jornalistas após evento em São Paulo.

"Mas devemos olhar pelo lado positivo, há mais investidores externos interessados no Brasil."

Questionado sobre como o governo poderia resolver essa questão, ele apenas afirmou que o Banco Central já está realizando leilões de compra de dólar no mercado.

Mantega disse que o crédito ainda não está em um patamar ideal e seu custo segue alto, mas que já houve uma melhora desde os picos da crise.

"Tanto é verdade que na primeira melhora que ocorreu lá fora já houve um forte fluxo de capitais para o Brasil", disse ele, citando ainda o patamar elevados das reservas como razões para a solidez da economia.

Mantega disse ainda que o governo quer reduzir o spread bancário, tanto dos bancos estatais como dos privados e que "vamos fazer isso nos próximos meses".

META DE INFLAÇÃO

Questionando sobre se o governo estaria estudando mudar a meta de inflação de 2011, como a mídia chegou a noticiar, Mantega negou.

"Não discutimos ainda a questão, é prematura. No momento não vejo motivo para que haja mudança, mas isso não foi discutido ainda, mas vamos discutir com os demais membros (do Conselho Monetário Nacional)", respondeu ele.

"Essa meta que estabelecemos tem dado certo, tanto que 2008 fechamos na meta e este ano estamos indo bem em matéria de inflação. Não vejo necessidade de fazer nenhuma alteração em um objetivo que está dando certo."

Mantega previu ainda que a economia crescerá entre 3 e 4 por cento no quarto trimestre deste ano e registrará expansão de 1 por cento em 2009 como um todo.

Na quarta-feira, o governo reduziu oficialmente sua perspectiva de crescimento neste ano para 1 por cento.

"Para o crescimento, as condições estão dadas para a economia. Depois de levar um tombo no último trimestre do ano passado, a economia já está em via de recuperação, uma recuperação mais lenta agora que vai se acelerando até o fim do ano."

(Reportagem de Paula Laier; Edição de Vanessa Stelzer e Isabel Versiani)

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG