Manoel de Oliveira recebe Palma de Ouro por conjunto de sua obra em Cannes

O decano dos cineastas, o português Manoel de Oliveira, que completará cem anos em dezembro, foi homenageado nesta segunda-feira pelo Festival de Cannes, que lhe concedeu a Palma de Ouro por sua carreira - a primeira que recebe, na presença dos membros do júri e de Clint Eastwood.

AFP |

Oliveira recebeu a Palma de Ouro das mãos do francês Michel Piccoli, um de seus atores favoritos.

"Estou muito emocionado por esta Palma de Ouro que recebo finalmente", declarou maliciosamente o cineasta, fazendo graça.

Oliveira ganhou o Prêmio do Júri em 1999 pelo filme "A Carta" e o Prêmio da Crítica Internacional em 1997 por "Viagem ao princípio do mundo", mas Cannes nunca o havia coroado com a Palma de Ouro.

"Aprecio enormemente recebê-la desta maneira, porque não gosto da competição com meus colegas. Esta é a melhor maneira de receber um prêmio", afirmou.

Considerado o "decano dos cineastas em atividade", Oliveira nasceu em 12 de dezembro de 1908 na cidade do Porto e se considera o último sobrevivente dos "bons velhos tempos do cinema".

O cineasta português foi calorosamente aplaudido ao entrar na sala, assim como o ator e diretor Clint Eastwood.

A homenagem começou com a projeção de um curta-metragem do presidente do Festival, Gilles Jacob, e intitulando "Um dia na vida de Manoel de Oliveira". Jacob afirmou que esta Palma de Ouro não apenas homenageia "a antiguidade, mas a enaltece".

"Aqui estamos em meus cem anos, 78 dos quais consagrados a esta paixão que nos une a todos aqui: o cinema. Cresci ao longo de um século com o cinema, e hoje sei que o cinema me fez crescer", disse o cineasta, antes de gritar "Viva o cinema!".

A homenagem foi concluída com a projeção da primeira obra de Oliveira, "Douro, Faina Fluvial", de 1931.

Leia mais sobre: Festival de Cannes

    Leia tudo sobre: festival de cannesmanoel de oliveira

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG