BRASÍLIA (Reuters) - Os estudantes que ocupavam a Câmara Legislativa do Distrito Federal deixaram nesta terça-feira o local levados pela Polícia Militar, após cerca de quatro horas de negociação. Eles estavam acampados no Legislativo desde quarta-feira como pressão para a abertura de um processo de impeachment contra o governador José Roberto Arruda (DEM), acusado de corrupção. Todos foram colocados em ônibus.

Após deixarem o plenário para a realização de uma sessão da Câmara nesta tarde, os manifestantes foram colocados na galeria dos visitantes.

A PM montou um corredor de policiais para proteger os estudantes dos manifestantes a favor do Arruda, que entraram nesta terça-feira no local. Após a saída dos estudantes, eles também deixaram o local. Há manifestantes dos dois lados na parte externa do prédio.

Segundo a PM, eram 500 manifestantes no total e participaram da operação 700 policiais.

O prazo de um pedido de reintegração de posse realizado pela Câmara havia vencido na segunda-feira.

Antes da chegada dos policiais, o presidente em exercício da Câmara, Cabo Patrício (PT), suspendeu as atividades do Legislativo e dispensou os funcionários para evitar tumulto.

Dos onze pedidos de impeachment contra Arruda, a Câmara aceitou analisar apenas três. Eles passarão agora por uma comissão especial que ainda terá seus integrantes escolhidos.

(Reportagem de Maria Carolina Marcello)

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.