rebatizada de A H1N1 pela OMS). Os alunos da Creche Paulo Alexandre Mosca Cintra e da Escola Municipal Benedito Vieira da Mota deixaram de ir às aulas depois que a professora, funcionária das duas unidades, voltou da Argentina com sintomas da doença. As atividades estão suspensas até a próxima quarta-feira." / rebatizada de A H1N1 pela OMS). Os alunos da Creche Paulo Alexandre Mosca Cintra e da Escola Municipal Benedito Vieira da Mota deixaram de ir às aulas depois que a professora, funcionária das duas unidades, voltou da Argentina com sintomas da doença. As atividades estão suspensas até a próxima quarta-feira." /

Mais seis escolas paulistas suspendem aulas por causa da gripe suína

SÃO PAULO - Cerca de 1,3 mil alunos da rede municipal de ensino da cidade de Itaquaquecetuba, na Grande São Paulo, estão sem aula desde quarta-feira, por causa da suspeita de que uma professora contraiu a gripe suína (http://ultimosegundo.ig.com.br/mundo/2009/04/30/oms+decide+mudar+nome+da+gripe+suina+5867916.htmlrebatizada de A H1N1 pela OMS). Os alunos da Creche Paulo Alexandre Mosca Cintra e da Escola Municipal Benedito Vieira da Mota deixaram de ir às aulas depois que a professora, funcionária das duas unidades, voltou da Argentina com sintomas da doença. As atividades estão suspensas até a próxima quarta-feira.

Agência Brasil |

A servidora foi encaminhada ao Hospital Emílio Ribas, em São Paulo, para fazer o exame, cujo resultado sai na próxima terça-feira. Até que isso ocorra, a Secretaria Municipal de Saúde de Itaquaquecetuba orienta as pessoas que tiveram contato com a professora a permanecerem em casa durante sete dias.

De acordo com a secretaria, caso alguém manifeste sintomas como dores musculares, febre, tosse, cansaço e diarreia, deve procurar o posto de saúde ou hospital mais próximo para uma primeira avaliação clínica. Se houver suspeita de contaminação, o paciente será encaminhado para unidades de referência de Itaquaquecetuba, como o Hospital Geral de Guarulhos ou o Hospital Emílio Ribas.

Em Guarulhos, na Grande São Paulo, 700 alunos do Colégio Júlio Mesquita estão sem aula desde quarta-feira e tiveram as férias antecipadas devido à confirmação de um caso da nova gripe. As férias teriam início no dia 9 de julho e terminariam em 10 de agosto. O recomeço das aulas foi antecipado para 3 de agosto.

De acordo com o diretor pedagógico da escola, Alexandre da Cunha Arrigoni, o aluno infectado é do 8º ano. Ele retornou dos Estados Unidos com suspeitas da nova gripe. O resultado do exame foi confirmado pela Vigilância Epidemiológica de Saúde na última terça-feira. Como muitas pessoas tiveram contato direto com o aluno, a escola foi orientada a suspender as aulas.

Também na Grande São Paulo, o Colégio Madre Iva, em Cotia, antecipou as férias em uma semana, por precaução, depois que uma professora, uma aluna, que é filha dela, e um aluno apresentaram sintomas da influenza A (H1N1) ¿ gripe suína. Eles foram submetidos ao exame no Hospital Emílio Ribas, mas o resultado ainda não ficou pronto.

Ontem, três escolas da capital paulista também decidiram suspender as aulas. O Colégio Visconde de Porto Seguro, na zona sul de São Paulo, suspendeu as aulas de 32 alunos do 6º ano depois da confirmação de que um aluno contraiu a doença. De acordo com a escola, ele teve contato com uma pessoa que voltou de viagem à Argentina e apresentava sintomas da gripe.

A Escola Viva, na Vila Olímpia, também na zona sul da capital paulista, cancelou as aulas de 1,3 mil alunos, depois que um aluno do 6º ano recebeu o diagnóstico da doença. De acordo com a escola, o vírus foi transmitido por um parente que esteve nos Estados Unidos.

A unidade Cantareira do Colégio Objetivo, na Água Fria, zona norte de São Paulo, antecipou as férias após a confirmação de que uma aluna do 3º ano do ensino médio foi infectada.

Entenda a "gripe suína":

Leia também:

    Leia tudo sobre: gripe suína

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG