Mais de três mil acompanham aniversário da revolução em São Paulo

SÃO PAULO - Mais de 3 mil pessoas acompanharam a comemoração do 76º aniversário da Revolução Constitucionalista de 1932, realizada no Parque do Ibirapuera, na zona sul da capital paulista, segundo a Polícia Militar (PM). O vice-governador de São Paulo, Alberto Goldman, comandou a cerimônia de homenagem aos combatentes na revolução.

Redação com agências |


A Avenida Pedro Álvares Cabral e Rua Padre Manoel da Nóbrega foram fechadas para o desfile de representantes de entidades civis, de escolas, da Guarda Municipal, das Forças Armadas e da PM. O prefeito da capital paulista, Gilberto Kassab (DEM), que tentará a reeleição em outubro, compareceu à comemoração.

Troca de comando

O evento foi aberto às 9h01 com a chegada de Alberto Goldeman em carro oficial precedido por batedores. Em seguida houve a tradicional troca de comando do Exército Constitucionalista, que é sempre exercido por um dos envolvidos na revolução e muda a cada ano.

Este ano, pela primeira vez o comando foi entregue a uma mulher, Dirce Rudge Pacheco Silva, que tinha 14 anos à época do conflito. Dois de seus irmãos foram para a guerra enquanto ela se alistou no pelotão dos voluntários, tecendo gorros e agasalhos para os combatentes da linha de frente.

Movimento armado ocorrido entre julho e outubro de 19932, a Revolução Constitucionalista contestava o governo provisório de Getúlio Vargas, que liderou uma revolução em 1930, assumiu a Presidência da República e revogou a Constituição.

A princípio, os paulistas contavam com o apoio de Minas Gerais e Mato Grosso. No final, São Paulo ficou isolado, não conseguiu receber ajuda de outros Estados nem comprar armas no exterior, por causa do bloquei do porto de Santos. Era uma luta desigual: 35 mil paulistas contra 100 mil soldados da força nacional.

No discurso da ordem do dia, Dirce lembrou o esforço paulista. Enquanto nossos maridos, pais e irmãos estavam nas trincheiras combatendo as forças ditatoriais, a família paulista atuava em auxílio desses bravos jovens, cuidando dos feridos nos hospitais, arrecadando fundos, construindo uniformes e agasalhos, organizando o correio militar, fabricando munição e capacetes.

Em 3 de outubro os paulistas assinaram a rendição. Conquistaram, porém, uma vitória moral. Em 3 de maio de 1933 foram realizadas eleições e em novembro instalou-se a Assembléia Constituinte, que deu ao pais uma nova Constituição, promulgada em 15 de julho do ano seguinte.  São Paulo ensinou ao Brasil que princípios não se negociam, que valores não são relativos, que a lei não se dobra. Mesmo em tempos difíceis, tempos conturbados, onde o público se confunde com o privado, afirmou Dirce em seu discurso.

Antes do desfile, os restos mortais de onze ex-combatentes foram depositados na cripta do Obelisco do Ibirapuera, monumento em homenagem aos heróis de 32. Em seguida, o governador em exercício, o prefeito Gilberto Kassab, o secretário Marzagão e o Comandante-geral da PM, coronel Roberto Antônio Diniz, depositaram flores no túmulo do Herói Jacente.

Alberto Godman e outras autoridades também entregaram a Medalha Constitucionalista a 32 pessoas, entre as quais o secretário-chefe da Casa Civil, Luiz Massao Kita, e Dirce Rudge Pacheco Silva. A honraria é concedida pela Sociedade dos Veteranos de 32 ¿ MMDC a pessoas que se destacam na defesa dos ideais democráticos defendidos pelo Movimento Constitucionalista.

Leia mais sobre: feriados

    Leia tudo sobre: revolução 32

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG