Brasília - Pouco mais de um mês depois de implantada a portabilidade numérica, 628,6 mil telefones mudaram de operadora em todo o país, dentro do mesmo DDD de sua área. Nesse sistema, o usuário escolhe outra empresa, mas mantém seu número de seu telefone. Os pedidos de migração começaram a ser feitos no dia 1º. de setembro do ano passado, quando se iniciou a implantação do sistema, informou a Associação Brasileira de Recursos em Telecomunicações (ABR Telecom).

Entre os usuários que mudaram de operadora, 427,2 mil (68%) usam o serviço de telefonia celular e 201,4 mil (32%) o de telefonia fixa. Conforme a ABR Telecom, a eficiência na transferência da portabilidade, instituída pela Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) significou a aprovação de 92% dos pedidos no primeiro mês de vigência da medida. Os 8% dos pedidos rejeitados tiveram como causa a inconsistência de dados cadastrais fornecidos pelos interessados.

Segundo a ABR Telecom, há mais 75,9 mil telefones prontos para a migração, aguardando data agendada pelo usuário; 10.143 solicitações estão em processamento e 122 mil pedidos foram cancelados por solicitação do próprio usuário.

Os usuários que querem trocar de operadora e continuar com o atual número de telefone têm que informar o nome completo, comprovar a titularidade da linha telefônica e informar o número do documento de identidade. No caso de pessoa jurídica, é preciso informar o número do registro no cadastro do Ministério da Fazenda; o endereço completo e o código de acesso de sua área.

A operadora que recebe o pedido deve fornecer, no ato do registro da solicitação, um número de protocolo que permitirá o acompanhamento do processo de transferência, que pode ocorrer em até cinco dias. O acompanhamento da efetivação das transferências da portabilidade numérica pode ser feito pelo site www.abrtelecom.com.br , onde estão disponíveis os números de telefone que já se beneficiaram da transferência de operadora, com manutenção do número antigo.

Leia mais sobre: portabilidade numérica


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.