Estudo do Ministério da Saúde aponta que mais de 2,1 milhões de habitantes no Brasil vivem potencialmente expostos a contaminantes químicos.

De acordo com o levantamento, essas pessoas residem em uma das 2.527 áreas com solo contaminado no País. Os dados serão debatidos durante a 1ª Conferência Nacional de Saúde Ambiental (CNSA), que acontecerá entre quarta-feira e sábado, em Brasília. Foram coletadas na pesquisa as informações dos Estados e municípios no período de 2001 a 2008.

A importância dessa problemática é que ela representa uma situação aparentemente nova para o SUS (Sistema Único de Saúde). Porém, sabemos que os problemas de áreas contaminadas com populações expostas são antigos no Brasil e decorrentes dos processos, como o de industrialização, disse Herling Alonzo, professor do Departamento de Medicina Preventiva da Universidade de Campinas (Unicamp).

A Vigilância em Saúde das Populações Expostas a Contaminantes Químicos (Vigipeq) usará os dados do estudo para subsidiar ações e medidas de prevenção e atenção às populações que entraram em contato ou que moram em área de risco. Segundo a pesquisa, os principais contaminantes são os agrotóxicos, com 20%, derivados do petróleo, 16%, resíduos industriais, 12%, e metais, 11%. Os Estados com mais pessoas potencialmente expostas são São Paulo, Rio de Janeiro e Rio Grande do Norte.

AE

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.