Maioria admite agressões contra crianças, indica estudo

BRASÍLIA - A pediatra Anna Tereza Miranda acompanhou de janeiro a março de 2005 a rotina de dois grandes hospitais de emergência do Rio. Com outros pesquisadores, entrevistou 524 acompanhantes de crianças menores de 12 anos que esperavam atendimento e registrou alto grau de subnotificações.

Agência Estado |

A maioria das mães admitiram os casos de agressão, mas as notificações não chegaram a 1%. Os números poderiam estar em qualquer hospital. Imaginamos que seja daí para pior, diz Anna, observando que os centros médicos tinham equipes referenciadas para agir nessa área.

Cerca de 94,8% das mães relataram agressão psicológica: xingar de burro ou dizer que vai expulsar de casa. Mais da metade (52,3%) reconheceu negligência, ou seja, dentro de suas possibilidades financeiras não conseguiu prover a criança com cuidados médicos e alimentação adequada.

Um em cada três (38,7%) admitiu usar de beliscões, tapas ou agressões com objetos. Mas as notificações, analisadas em fichas preenchidas por funcionários dos hospitais, foram de 0,007% para agressão psicológica, 0,242% (negligência) e 0,034% (agressão física).

Na conclusão do trabalho, Anna recomenda a revisão das estratégias e uma melhor organização dos serviços. Ao evidenciar um descompasso entre as respostas e os casos encaminhados pelas equipes de emergência, ressalta-se a importância da capacitação dos profissionais. Suspeitar e detectar sinais de alerta nos serviços de emergência significa dar conta de uma clientela que frequentemente não possui acesso a outros recursos da rede de saúde, acrescenta. As informações são do jornal "O Estado de S. Paulo".

Leia mais sobre: violência

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG