Máfia dos parasitas parcelou doação ilegal, diz polícia

SÃO PAULO - Uma lista apreendida pela polícia mostra que a máfia dos parasitas parcelou as doações ilegais para as campanhas de 26 candidatos a prefeito em São Paulo, no Rio e em Minas.

Agência Estado |

De acordo com o Ministério Público Estadual, o documento achado na sede da Home Care Medical Ltda., em Guarulhos, na Grande São Paulo, detalha a forma como os investimentos nas campanhas dos candidatos foram feitos.

A Home Care é uma das empresas investigadas por fraudes em licitações de R$ 100 milhões. Entre os beneficiados das supostas doações estariam cinco deputados estaduais e um federal, todos de São Paulo.

A primeira coluna da tabelas tem a sigla CP2008, que seria campanha política, 2008. Ao todo, há a previsão de gastos de R$ 4,892 milhões, dos quais a contabilidade registraria como realizados R$ 2,468 milhões - em planilha publicada pelo jornal "O Estado de S. Paulo" com os nomes dos candidatos que haviam recebido ajuda da empresa constava um total de investimento de R$ 3,5 milhões antes da realização do segundo turno das eleições.

O documento mostra que as supostas doações foram pagas até cinco vezes em valores que iam de R$ 10 mil a R$ 70 mil. Além de dinheiro, o esquema também teria feito doações de carros. O advogado Roberto Podval, que defende os sócios da Home Care, Renato Pereira Júnior e Marcos Agostinho Paioli Cardoso, disse que todas as doações eleitorais feitas pela empresa foram legais e declaradas à Justiça Eleitoral.

No site do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) há o registro de cinco doações feitas pela Home Care para quatro candidatos a vereador e um a prefeito, além de duas outras para o comitê financeiro da campanha do deputado estadual Orlando Morando (PSDB), que tentou se eleger prefeito de São Bernardo do Campo. As informações são do jornal "O Estado de S. Paulo".

Leia mais sobre: doações ilegais

    Leia tudo sobre: doaçãoeleições

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG