Mãe de Isabella não descarta que casal possa estar envolvido em crime, diz rádio

SÃO PAULO - No depoimento dado à polícia no último dia 2, Ana Carolina Cunha de Oliveira, mãe de Isabella, declarou que não descarta que Alexandre Nardoni e Anna Carolina Jatobá, pai e madrasta da menina, estejam diretamente envolvidos no que aconteceu com sua filha, que morreu no dia 29 de março ao cair do sexto andar do prédio onde o casal morava na zona norte de São Paulo.

Redação com Agência Estado |

No depoimento, Ana Carolina Cunha de Oliveira diz ter recebido um telefonema de Anna Carolina Jatobá para avisar sobre a queda da menina. Ela estava nervosa e falava palavrões.

No velório, ela ouviu a mãe de Alexandre mencionar que seu filho não tinha culpa e que o bandido deveria ser morto. Ana recebeu um abraço da madrasta de Isabella, acompanhado da frase "você nem ligou para a menina no sábado". De acordo com o depoimento, Alexandre não teria falado com a mãe de Isabella em nenhum momento.

Relação conturbada

O depoimento de Ana Carolina Cunha de Oliveira também revela detalhes de sua relação com o ex-marido Alexandre Nardoni.

Segundo ela, os dois se conheceram em dezembro de 1999. Ficaram juntos durante três anos e meio. Alexandre teria conhecido Anna Carolina Jatobá quando entrou na faculdade de direito.

Após 11 meses do nascimento da filha, eles se separaram. Isabella, de acordo com o depoimento, não era agredida pelo pai e foi matriculada em uma escola com um ano e quatro meses. Como Alexandre era contrário à idéia, os dois discutiram e ele chegou a ameaçar sua mãe de morte.

Para Ana Carolina de Oliveira, era evidente que todas as brigas de Anna Carolina Jatobá com Alexandre eram por ciúmes dela. A mãe de Isabella contou ainda que sua filha voltava das visitas quinzenais ao pai com mordidas e marcas arroxeadas. Quando questionada, a menina dizia que havia brigado com o irmão.

Laudo

Em reportagem na noite desta quarta-feira, a TV Bandeirantes afirma que o Instituto Médico Legal (IML) concluiu o laudo realizado no corpo de Isabella Nardoni, de 5 anos. Segundo a reportagem, as manchas encontradas no apartamento seriam de Isabella e os peritos teriam concluído que a menina morreu na queda, e não por causa de supostas agressões sofridas ainda no apartamento.

Casal presta novo depoimento na sexta

Alexandre Nardoni e Anna Carolina Jatobá, pai e madrasta de Isabella, devem prestar novo depoimento nesta sexta-feira, no 9º DP de São Paulo, segundo a Secretaria de Segurança Pública (SSP).

A SSP afirma que eles devem prestar depoimento separados, mas não se sabe qual serão os horários. Além deles, o pai de Alexandre, Antônio Nardoni, e a irmã, Cristiana, também prestarão esclarecimentos na tarde de sábado. Até agora, 57 pessoas foram ouvidas pela polícia.

Na noite da terça-feira foram ouvidas duas professoras da escolinha onde Isabella estudava.

Novos depoimentos

O advogado Ricardo Martins, representante da defesa do casal, afirmou que as testemunhas ouvidas pela policia nesta quarta-feira demonstraram como era possível que alguém tenha entrado no edifício London, de onde Isabella foi jogada pela janela do sexto andar, no dia do crime.

Ricardo Martins, que acompanhou os depoimentos das testemunhas da lista que foi apresentada pela defesa, saiu da delegacia por volta das 13h50. Segundo o advogado, "as testemunhas foram ouvidas para comprovar três coisas: a vulnerabilidade do edifico London, a perda das chaves pela Anna Carolina e demonstrar que alguns apartamentos ficaram abertos e expostos a qualquer pessoa que quisesse entrar.

AE
O advogado declarou que as testemunhas ouvidas hoje são prestadoras de serviço, mas a SSP confirmou que uma delas é a corretora de imóveis que vendeu o apartamento para o pai de Alexandre e que a outra é uma montadora de móveis.

Não posso entrar em detalhes sobre o depoimento das testemunhas, mas elas vieram comprovar veementemente que o edifício London não é aquela fortaleza que todos têm demonstrado.

Martins também afirmou que pessoas podem comprovar a harmonia vivida pelo casal e que não irá se manifestar sobre o possível indiciamento do publicado pela imprensa . Não vou me manifestar já que não é uma informação oficial. O casal está totalmente à disposição da Justiça e se forem intimados, comparecerão com certeza.

O advogado finalizou afirmando que confia na inocência do casal e que a hipótese de haver mais pessoas no local do crime não pode ser descartada. "A defesa entende que enquanto os laudos não tiverem prontos não é possível confirmar com convicção que não existe a terceira pessoa no local. É possível ter uma terceira, uma quarta e até uma quinta pessoa que pudesse ter ocasionado o delito, afirmou.

Indiciamento

De acordo com o jornal "Folha de S. Paulo", a polícia decidiu indiciar o casal sob a acusação de ter assassinado Isabella. A conclusão estaria baseada em laudos extra-oficiais. Segundo a "Folha", após o indiciamento, a polícia pedirá à Justiça a decretação da prisão preventiva do casal. Nardoni e Anna devem ser novamente interrogados na próxima sexta-feira pelos delegados que trabalham desde o dia 30 para esclarecer o "homicídio qualificado consumado".

Reprodução/ TV Globo

A publicação afirma que o relatório que a polícia irá apresentar à Justiça para o pedido da prisão preventiva do casal já está praticamente pronto. Somente os espaços para a indicação e descrição de cada um dos laudos do IC e do IML que ajudaram a polícia a formar a convicção contra Nardoni e Anna estão em branco.

Até o início da tarde, o Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP) informou que ainda não registrou nenhum pedido de prisão preventiva relativo ao caso. Após o eventual recebimento do pedido, que seria analisado pelo juiz Maurício Fossen, o mesmo que analisou o pedido de prisão temporária do casal, o prazo para a tomada de decisão é de 48 horas.

Hoje, o coordenador da Superintendência da Polícia Técnico-Científica (SPTC), Celso Perioli, afirmou que os laudos relativos à investigação não estão prontos. "Não há resultado oficial dos laudos e não há previsão", afirmou. A polícia aguarda justamente a conclusão desses laudos para pedir prisão preventiva do casal.

O caso

AE
Isabella era filha do consultor jurídico Alexandre Alves Nardoni e da bancária Ana Carolina Cunha de Oliveira. A cada 15 dias, ela visitava o pai e a madrasta Anna Carolina Trotta Peixoto.

No sábado, dia 29 de março, a garota foi encontrada morta no jardim do prédio em que o pai mora. A polícia descartou desde o princípio a hipótese de acidente. O delegado titular do 9º Distrito Policial Carandiru, Calixto Calil Filho, declarou que Isabella foi jogada da janela do apartamento por alguém.

O delegado destacou o fato de a tela de proteção da janela do quarto ter sido cortada e de ninguém ter dado queixa de desaparecimento de pertences no local.

O pai teria alegado à polícia que um homem invadiu o seu apartamento. Ele e Anna Carolina afirmam ser inocentes e, por meio de cartas, disseram esperar que "a justiça seja feita".

Leia também:


Opinião

    Leia tudo sobre: isabella

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG