Mãe de bebê salvo pela fralda em PE deve ser indiciada

Franciele Pinto Rebelo, mãe do bebê que caiu na terça-feira da janela do terceiro andar do prédio onde mora, na zona sul do Recife, deve ser indiciada por lesão corporal culposa (sem intenção). A informação foi dada hoje, pelo delegado da Gerência de Polícia da Criança e do Adolescente (GPCA), Carlos Onofre.

Agência Estado |

Segundo ele, as primeiras investigações levam a crer que ocorreu um acidente. "Mas há fortes indícios de negligência", disse ele, ao acompanhar os especialistas do Instituto de Criminalística que realizaram a perícia no local.

Segundo o delegado, o sofá estava próximo da janela e a mãe, de 21 anos, deveria estar ciente do risco e do resultado que poderia produzir. "Este é um dos fundamentos do crime culposo", afirmou. Se indiciada, julgada e condenada, Franciele poderá ter uma pena de seis meses a um ano de detenção. No entanto, Onofre acredita que o processo possa ser transformado em um termo circunstanciado de ocorrência (TCO), que passaria a ser só um registro, com pena alternativa - se houver.

Atordoado, o pai da criança, Alexandre César Massaneiro, de 23 anos, não soube o que dizer ao saber que sua mulher poderá ser indiciada. "Ela não teve culpa." Ele afirmou que Franciele é uma mãe dedicada e cuidadosa e que o sofá foi colocado próximo à janela por falta de espaço, já que o apartamento é pequeno. Disse ainda que o filho, Cauã Felipe Massaneiro, de um ano e meio, nunca tinha subido no encosto do sofá. Mas, segundo o pai, no dia da queda e ele subiu no móvel e colocou a mão na cortina, que estava fechada. Porém, como a janela estava aberta, a criança caiu.

O delegado ouviu os pais e uma prima do casal que está temporariamente morando com eles. Informalmente, ele falou ainda com o porteiro do prédio, vizinhos e testemunhas. As informações colhidas pelo delegado foram de que o casal tem cuidado e zelo com os filhos. Em seu depoimento, Franciele disse que estava guardando roupas no quarto, com Cauã ao lado. Ela teria se descuidado, e a criança saiu sem que ela percebesse. Pouco depois ela ouviu gritos dos vizinhos afirmando que o seu filho havia caído.

O acidente

Ao despencar de uma altura de dez metros, Cauã primeiro bateu num guarda-chuva que estava aberto sobre o ar condicionado do primeiro andar e desviou para o muro do prédio, onde a fralda descartável que usava ficou presa nos ganchos de ferro, segurando-o por instantes para depois ceder e derrubar a criança. Ele quebrou o fêmur e quatro costelas no lado esquerdo, mas passa bem. O menino deve deixar o hospital até o final da semana.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG