Professores estão parados há 45 dias. Protesto deixou 20 quilômetros de congestionamento no Maranhão

Em greve há 45 dias, os professores da rede pública estadual de ensino do Maranhão fecharam nesta quinta-feira (14), pela manhã, a BR-135, o único acesso rodoviário a São Luís. Pelo menos mil docentes participaram da manifestação. O protesto causou um congestionamento de aproximadamente 20 quilômetros.

Segundo o diretor de comunicação do Sindicato dos Trabalhadores em Educação Pública do Maranhão (Sinproesemma), Júlio Guterres, a manifestação teve o objetivo de sensibilizar o governo do Estado a reabrir as negociações com a categoria, interrompidas desde a semana passada. “Foi uma manifestação pacífica”, disse Guterres.

Os docentes fecharam o km 30 da BR-135, na altura do Estreito dos Mosquitos, antes da ponte que dá acesso a São Luís. Eles interromperam o tráfego de veículos com galhos de árvores, faixas e cartazes e um carro de som. A Polícia Rodoviária Federal (PRF) foi chamada, mas não impediu a manifestação dos docentes. Caminhoneiros ficaram irritados com o protesto, mas não houve conflito.

Essa não é a primeria vez que professores em greve fecham uma rodovia como forma de protesto no Estado. Em 2007, durante uma paralisação que durou quase 90 dias, os professores também bloquearam o tráfego da BR-135 para reivindicar a reabertura das negociações com o então governo Jackson Lago (PDT). Na época, os docentes queriam a revogação de uma lei que instituiu o subsídio como forma de pagamento aos professores.

A greve dos docentes do Maranhão reivindica a implementação do piso nacional de R$ 1.187 e a implantação do Plano de Cargos, Carreiras e Salários (PCCS). 

Hoje, o professor maranhense em início de carreira recebe R$ 854. Destes, metade corresponde ao salário base e o restante a uma Gratificação de Atividade de Magistério (GAT). O govenro do Estado afirma que a greve está enfraquecida e que pelo menos 90% das escolas já retomaram as aulas. O sindicato rebate esses números e afirma que entre 60% e 70% dos educadores ainda estão de braços cruzados.

Negociações

O governo do Estado ressaltou que a greve dos professores foi decretada ilegal pelo Tribunal de Justiça do Maranhão (TJ-MA), decisão confirmada pelo Supremo Tribunal Federal (STF).

Além disso, o Estado afirmou, por meio de nota, que "o governo sempre esteve aberto à negociação - inclusive, negociava com o sindicato quando da decretação da greve -, mas, com a ilegalidade do movimento, espera que os professores retornem ao trabalho para retomar o diálogo". Eles também afirmaram que “a greve é mantida hoje por membros da diretoria do sindicato".

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.