Filha fica em silêncio após saber de morte do pai, diz promotora

Sandra Maria não foi ao enterro de José Agostinho Bispo, que a prendeu em casa por 16 anos e com quem teve sete filhos

Wilson Lima, iG Maranhão |

Sandra Maria Monteiro, 28 anos, abusada sexualmente e presa em casa pelo pai, José Agostinho Bispo, durante 16 anos, reagiu com indiferença ao saber que ele foi um dos seis presos assassinados durante a rebelião na delegacia de Pinheiro , na terça-feira. A informação é da promotora da comarca de Pinheiro, Alineide Martins.

Agostinho Bispo foi a primeira vítima do motim. Ele e mais três presos tiveram suas cabeças decapitadas. Todos eram acusados de crimes ligados à pedofilia, abuso sexual ou estupro. Segundo Alineide Martins, Sandra não esboçou reação quando recebeu a notícia da morte do pai pelos conselheiros tutelares que ainda a acompanham em um abrigo em Pinheiro. “Ela não chorou, ficou indiferente. Não sei se ela ficou chocada, mas ela não expressou nenhum tipo de emoção”, disse a promotora. Sandra Maria teve sete filhos com o próprio pai.

No necrotério do hospital municipal de Pinheiro, apenas a irmã de Sandra Maria, Maria Sandra Monteiro, foi ver o cadáver de José Agostinho. Maria Sandra também foi abusada pelo pai e teve um filho com o lavrador. Ao contrário de Sandra Maria, Maria Sandra chorou, entrou em choque, ficou desesperada ao ver o pai com a cabeça decapitada. “Foi uma cena triste”, lembra a delegada regional de Pinheiro, Laura Barbosa. Os conselheiros tutelares de Pinheiro ainda perguntaram se Sandra Maria queria ir ver o pai no necrotério. Ela preferiu a distância.

Em junho do ano passado, quando o caso veio foi revelado, Sandra Maria afirmou, na época, que o amava apesar dos abusos. O próprio José Agostinho se defendia das acusações da polícia afirmando que “eu criei minhas filha para mim, não para o mundo”. Antes de morrer, José Agostinho foi condenado a 63 anos de prisão. Ele tinha um pedido de transferência para uma penitenciária de São Luís pronto, mas os delegados de Pinheiro não conseguiam vagas para ele em outra unidade prisional.

    Leia tudo sobre: MaranhãoPinheiroincestorebeliãopresídio

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG