Estatização não é culto a personalidade, diz nota do gabinete de Sarney

Pronunciamento oficial emitido pelo gabinete do presidente do Senado afirma também que doação de acervo ao Estado permitirá acesso a documentos históricos

Wilson Lima, iG Maranhão |

O gabinete do presidente do senado, José Sarney (PMDB), divulgou no final da noite desta quarta-feira (19) uma nota na qual afirma que a estatização da Fundação José Sarney pelo governo do Estado do Maranhão, aprovada pela Assembleia Legislativa do Estado, não tem “conotação de culto a personalidade, mas de resgate e preservação da memória republicana”.

Entenda o caso: Assembleia do Maranhão aprova estatização da Fundação José Sarney

AE
Fundação José Sarney, em São Luís: além dos documentos do período em que ele esteve à frente da presidência, lugar também abriga túmulo em que ele quer ser enterrado
De acordo com a nota, a partir de agora, “a doação do acervo da agora extinta Fundação José Sarney ao governo do Estado do Maranhão permitirá que continuem acessíveis aos maranhenses e aos brasileiros documentos, objetos de artes, livros, discos, fotografias e fitas, que compõem parte importante da história do Brasil atual”, descreve. “Sem nenhuma conotação de culto a personalidade, mas de resgate e preservação da memória republicana”, complementa.

Hoje, segundo o gabinete do presidente do senado, o acervo da Fundação da Memória Republicada, como será chamada agora a Fundação José Sarney após a sua estatização, terá 1,1 milhão de documentos históricos, 4,9 mil obras de artes, relíquias e presentes recebidos por Sarney quando ele estava à frente da presidência da república e mais de 25 mil livros.

“A simples extinção da Fundação José Sarney obrigaria a transferência do acervo a outras instituições fora do Maranhão, que já manifestaram desejo de recebê-lo. Outra consequência seria o desaparecimento de um ponto importante de visitação, eventos culturais e estudos históricos, com uma frequência anual de mais 135.000 visitantes”, analisa a nota encaminhada pelo gabinete do presidente do Senado.

Por fim, a nota ainda afirma que a estatização da Fundação José Sarney também “atende aos seus críticos”. “A providência tomada pelo governo do Estado atende aos seus críticos, recebendo o imóvel que incorporou e outros que foram adquiridos, além da doação que fez o senador Sarney de seu acervo pessoal, fruto de mais de 60 anos de trabalho. Os documentos ali guardados são patrimônio cultural brasileiro, conforme a Lei 8.394/91, e estão sob a proteção constitucional do Estado”, finaliza.

Leia mais sobre o assunto:

- Em cenário de abandono, estrangeiros reformam casarões de São Luís

- Sarney diz considerar 'injustas' críticas no Rock in Rio

- Para deputado do Maranhão, criticar Sarney é atacar o Nordeste

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG