Com greve da PM, capital do Maranhão vive onda de boato e pânico

Governo do Estado diz que monitora situação e que não há arrastões em São Luís. Motoristas querem parar de trabalhar às 17h

Wilson Lima, iG Maranhão |

Após dois dias de greve da Polícia Militar e dos homens do Corpo de Bombeiros, a capital do Maranhão vive um clima de caos e insegurança provocada por boatos que se espalharam por toda a cidade. O secretário de Segurança, Aluísio Mendes, disse que não houve crescimento do número de ocorrências em toda a cidade, mesmo sem o patrulhamento ostensivo da PM. O problema é convencer a população.

Wilson Lima/iG
Grevistas vêem TV na Assembleia Legislativa invadida por policiais

Reforço: Com policiais em greve, Exército assume segurança no Maranhão

Entenda o caso: Policiais militares do Maranhão invadem Assembleia Legislativa

Paralisação irregular: Justiça decide que greve de policiais no Maranhão é ilegal

Líderes: Coronel da PM pede prisão de 8 policiais grevistas no Maranhão

 Um exemplo do medo e da insegurança vivida atualmente pelos moradores de São Luís ocorreu na noite de quinta-feira (24). O principal centro comercial de São Luís fechou as portas pelo menos uma hora mais cedo em função de uma notícia de um arrastão em toda a região. A Rua Grande e suas transversais recebem cerca de 150 mil pessoas diariamente.

No Facebook e Twitter vários ludoviceses disseram que testemunharam o arrastão. “Minha mãe viu gente sendo assaltada. Não tinha como dizer que não houve arrastão”, afirmou o técnico de informática André Luís Moreira. Nesta sexta-feira (25), entretanto, surgiram outras notícias de arrastões em bairros da zona periférica (Cidade Operária) e até na zona nobre de São Luís (Renascença). Mendes negou que isso tenha ocorrido. “Mandamos viaturas e homens da Força Nacional nos relataram que nada aconteceu”, afirmou. No início da greve, na quarta-feira, surgiu também a informação de que ocorreu uma rebelião em série no Estado. Nada foi confirmado.

Independentemente dos boatos, algumas categorias querem alterar a prestação de serviços públicos em São Luís com medo da violência. Os trabalhadores do sistema de transporte rodoviário prometerem realizar uma assembleia neste sábado (26) para rediscutir o horário de circulação dos ônibus. Eles querem que, durante a paralisação dos PMs e bombeiros, a frota circule apenas até às 17h. Lojistas de São Luís querem fechar as portas antes das 18h, pelo menos uma hora mais cedo do que o horário normal.

Apesar do efeito cascata provocado pela paralisação, o executivo estadual informou hoje que não negociará com os grevistas antes do fim do movimento e da invasão da Assembleia Legislativa do Maranhão.

    Leia tudo sobre: maranhãopoliciais militaresgrevesão luís

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG