Vítima de ataque a ônibus no Maranhão será transferida para outro Estado

Por Agência Estado |

compartilhe

Tamanho do texto

Nunes teve 72% do corpo queimado e foi transferido para hospital em Goiânia. Ele ajudou a retirar menina do ônibus

Agência Estado

Márcio Ronny da Cruz Nunes, de 37 anos, foi transferido nessa quarta-feira (8) para um hospital em Goiânia que é referência no tratamento de queimaduras. Márcio Ronny foi uma das cinco vítimas dos ataques a ônibus ocorridos na última sexta-feira (3). O homem teve 72% do corpo queimado porque ajudou a retirar a menina Ana Clara, de 6 anos, do ônibus. O médico Luís Alfredo Soares Júnior, diretor do Hospital Geral, disse que Nunes ainda está em estado grave, porém estável.

Conheça a home do Último Segundo

"Ele olhou para aquela criança cheia de fogo e voltou para buscar", disse a mãe de Nunes, Marinete da Cruz Nunes, de 65 anos. "Tenho certeza de que, mesmo queimado e com tantas dores, ele não se arrependeu do que fez", afirmou a irmã, Josinete da Cruz Nunes, de 49.

O orgulho não é só da família. Em São Luís, todos se referem a Nunes como herói. Foi assim no enterro de Ana Clara Sousa, de 6 anos, menina que ele salvou do ônibus, mas morreu na segunda-feira. Ela teve 95% do corpo queimado e não resistiu.

Mais: 
Morre menina de 6 anos queimada em ataque a ônibus no Maranhão
Criminosos incendeiam ônibus com passageiros e ferem quatro no Maranhão

Ele é o sétimo de dez irmãos. Com Rallany Pereira, de 24 anos, também formou família grande: tem cinco filhos. Ele voltava do trabalho para casa, que havia acabado de conseguir pelo programa Minha Casa Minha Vida, quando o ônibus foi incendiado.

Vídeo

Um vídeo divulgado na internet mostra o atentado ao ônibus que levou à morte da garota Ana Clara. Segundo o Sindicato dos Trabalhadores do Transporte Rodoviário do Maranhão, a gravação, de 42s, é da câmera de segurança do veículo da empresa Trans Requinte atacado na Vila Sarney a mando de detentos de uma facção criminosa. As imagens mostram a menina consumida pelas chamas.

Leia tudo sobre: maranhãoataquesvítimascrisedetentos

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas