lupa , pessoas devem gastar - Brasil - iG" /

Lula:governo segue crise global com lupa , pessoas devem gastar

SÃO PAULO (Reuters) - O presidente Luiz Inácio Lula da Silva admitiu nesta quarta-feira que um abalo na economia norte-americana pode afetar o Brasil, mas ressaltou que o País está mais preparado do que nunca para enfrentar os solavancos externos e que o governo agirá se for necessário. Mais do que isso, ele espera que as pessoas continuem gastando para fortalecer a economia.

Reuters |

    'Nós sempre levamos em conta que, tendo recessão nos EUA, vai ter um abalo em todos os países, afinal de contas é a maior economia do mundo. Mas o Brasil nunca esteve tão preparado como está hoje', disse Lula em entrevista à TV Brasil, ao ser perguntado sobre os impactos no país da crise financeira global, que se agravou nos últimos dias.

    'Nós estamos acompanhando isso (a crise) com lupa', disse, explicando que não agirá com precipitação. 'Na medida em que for necessário, nós vamos tomar medidas.'

    'Obviamente que, se rarear o crédito internacional e os empresários brasileiros tiverem dificuldade para tomar dinheiro emprestado, nós vamos ter que tomar uma decisão de arrumar mais dinheiro para que o BNDES possa emprestar.'

    'Nós já tomamos a decisão de emprestar mais 15 bilhões de reais para o BNDES e também de pegar o fundo que nós criamos de desenvolvimento com o dinheiro do Fundo de Garantia (por Tempo de Serviço, FGTS) para repassar uma parte para o BNDES fazer os investimentos', acrescentou.

    Ainda sobre o BNDES, Lula disse que se a contração do crédito externo for acentuada, será preciso mudar algumas regras do banco para permitir que sejam feitos empréstimos maiores a empresas como Petrobras e Vale .

    Inflação, consumo e crescimento
    Lula reforçou a preocupação do governo com o controle da inflação, mas ressaltou que isso não interfere no esforço para fazer o país crescer.

    'As duas coisas são prioridade', resumiu.

    Segundo o presidente, o governo vai perseguir a meta de inflação --de 4,5 por cento no ano, com uma tolerância de 2 pontos percentuais. 'E vamos manter ela (meta), porque eu sei o que significa a inflação controlada nesse país'.

    Ele fez questão de garantir, porém, que 'não queremos em hipótese alguma brecar o crescimento da economia'.

    'O que nós queremos é continuar fazendo a economia crescer, que o povo continue consumindo, continue comprando, porque aí nós vamos dar solidez à nossa economia.'

    (Texto de Alexandre Caverni; edição de Mair Pena Neto)

      Leia tudo sobre: brasilcrise nos eua

      Notícias Relacionadas


        Mais destaques

        Destaques da home iG