Lula vai testemunhar em ação penal do mensalão

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva foi convocado pelo Supremo Tribunal Federal (STF) para testemunhar em defesa do presidente nacional do PTB, Roberto Jefferson, e do ex-líder do PP na Câmara, José Janene, em ação penal do mensalão, nome pelo qual ficou conhecido o esquema de compra de apoio político no Congresso Nacional. Na última sexta-feira, o relator do processo, ministro Joaquim Barbosa, enviou ofício convocando o presidente a prestar testemunho pessoal ou por escrito, de acordo com sua disponibilidade.

Agência Estado |

Como presidente da República, Lula tem a prerrogativa de escolher local, dia e hora do depoimento. A assessoria da Presidência informou que Lula ainda não se manifestou a respeito.

Jefferson e Janene respondem na ação por crimes de lavagem de dinheiro e corrupção passiva. O ex-líder do PP é também acusado pela Justiça por formação de quadrilha em denúncia acolhida pelo STF em 2007.

Denúncia do Ministério Público Federal (MPF) classificou o mensalão de "operação especializada em desviar dinheiro público e comprar apoio político", com o objetivo de "garantir a continuidade do projeto de poder" da legenda do presidente, o PT. Lula negou diversas vezes durante o episódio ter informações sobre a existência do esquema.

Além de Lula, também foi arrolado pelo STF o presidente da Câmara, Michel Temer (PMDB-SP). Temer foi convocado a pedido do ex-deputado federal José Rodrigues Borba (PMDB-PA), que responde pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro. O ministro Joaquim Barbosa já notificou o peemedebista, que deve responder ao ofício nos próximos dias, de acordo com sua assessoria de imprensa.

A Justiça deve convocar ao todo 600 pessoas para depor em defesa de réus da ação. Barbosa deu até maio de 2010 para que todas as testemunhas sejam ouvidas pela Justiça.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG