Integrante da direção nacional do MST, ela nega que MST esteja enfraquecido

Integrante da direção nacional do MST, Marina dos Santos afirma, em entrevista ao iG , que programas de distribuição de renda como o Bolsa Família não são a principal causa da diminuição do número de sem terra no Brasil. Como exemplo, ela cita a região nordeste, onde o movimento teria o maior número de acampamentos.

“O mais importante é a lentidão da reforma agrária”, avalia. Marina dos Santos diz que os movimentos sociais tiveram peso na disputa de Dilma Roussef contra José Serra na eleição e que, agora, poderão sustentar medidas como a aceleração da reforma agrária.

“Será a melhor saída para essas famílias saírem da pobreza, como pretende a presidenta Dilma ”, afirma Marina. Em entrevista concedida por e-mail ao iG , ela analisa o atual momento do MST, mas nega que exista uma crise. “É papo da direita”, resume.

Joka Madruga/Divulgação
Marina dos Santos, da direção nacional do MST
iG - O movimento não deu um período de trégua para a presidente Dilma Rousseff. Por quê?

Marina dos Santos - No primeiro ano do governo Lula estava em construção o Plano Nacional de Reforma Agrária, que não foi cumprido. O plano já existe e cabe ao governo executar, mas a reforma agrária está emperrada. No ano passado, quase não saíram assentamentos. Nos oito anos do governo Lula, a reforma agrária não foi prioridade. Infelizmente, o governo colocou em primeiro plano o agronegócio. Diante disso, sabemos que só com luta vai avançar a reforma agrária, para enfrentar os interesses das empresas transnacionais e do capital financeiro, que controlam a nossa agricultura. Independente do governo, vamos continuar fazendo ocupações de latifúndios. Quase todos os assentamentos foram criados a partir da pressão das famílias sem terra.

O número de acampamentos caiu pela metade, segundo dados do MST. Por que isso ocorreu?

Ainda temos um número grande de acampados, em torno de 100 mil famílias, que vivem em situação de extrema pobreza nas beiras de estradas e em ocupações. A queda do número de acampados decorre da lentidão da reforma agrária. Sem a expectativa de conquistar a terra, as famílias buscam alternativas. No entanto, continuam sonhando com a conquista da terra, que abre um horizonte para as famílias pobres do campo.

Programas como o Bolsa Família, além do aumento da oferta de emprego no Brasil, não diminuem o número potencial de pessoas dispostas a acampar? O que o MST faz para superar esse desafio?

No Nordeste, o País tem alcançado os maiores índices de crescimento econômico e geração de empregos, além de ter o maior número de famílias no Bolsa Família. Mas é no Nordeste onde se concentra o maior número de famílias acampadas. Não podemos ser economicistas e fazer uma relação direta entre esses fatores e o número de famílias acampadas. Claro que esses fatores têm influência, mas há outros elementos. O mais importante é a lentidão da reforma agrária, que deixa as famílias sem motivação para acampar. A questão é: qual alternativa as famílias têm para sobreviver no meio rural? O agronegócio, que tem hegemonia na agricultura, emprega pouco, superexplora a força de trabalho e paga os menores salários da sociedade. Ou as famílias se submetem a essas condições ou vão para as grandes cidades para viver no caos urbanos. Com o avanço da reforma agrária e políticas de fortalecimento dos assentamentos, a reforma agrária será a melhor saída para essas famílias saírem da pobreza, como pretende a presidenta Dilma.

O MST está em crise ou admite, pelo menos, dificuldades na mobilização?

Crise é papo da direita para rebaixar o papel do nosso movimento e tirar da pauta política a reforma agrária. Nos últimos anos, sofremos um processo intenso de criminalização pela classe dominante, que colocou seus aliados no judiciário, no parlamento e na mídia para atacar o movimento. No Rio Grande do Sul, o Ministério Público propôs acabar com o MST. Se estamos em crise, por que tanta criminalização? O movimento mantém 100 mil famílias acampadas, avança na organização e produção nos assentamentos e tem influência em setores importante na sociedade.

Na avaliação do MST, Dilma Rousseff pode fazer mais pela reforma agrária do que Lula? O perfil do atual governo não é mais resistente à reforma agrária?

O governo Dilma tem condições melhores de avançar na reforma agrária. As forças sociais da classe trabalhadora tiveram um peso grande na eleição de Dilma e na base social que sustenta as medidas populares do governo. Se essas forças sociais mantiverem um grau de unidade e fizerem lutas sociais, vamos conseguir avançar em várias áreas importantes. Por exemplo, na redução da jornada de trabalho, fim do superávit primária, ampliação do papel do Estado como instrumento do desenvolvimento e na reforma agrária. Só com mudanças estruturais o governo vai cumprir seu objetivo de acabar com a pobreza no Brasil.

O próprio movimento acusa as transnacionais do agronegócio de se apossarem das terras que poderiam ser destinadas para a reforma agrária. Neste sentido, não é quase inviável a reforma agrária no Brasil?

Inviável é o modelo do agronegócio, que concentra cada vez mais terras, aumentando a pobreza no campo, produz apenas monoculturas, que deterioram a terra e destroem o meio ambiente, exporta a produção, aumentando a dependência externa do País, e utiliza um quantidade violenta de agrotóxicos, fazendo do Brasil o maior consumidor do mundo. Claro que o agronegócio articula setores fortes, como os fazendeiros capitalistas, empresas transnacionais e o capital financeiro, com influência no Congresso, no Judiciário e na mídia. No entanto, o povo brasileiro perceberá que os impactos nocivos do modelo do agronegócio
para a economia, para os camponeses, para o meio ambiente e para a saúde humana, colocando em marcha mobilizações que vão mudar a correlação de forças, enfrentar a classe dominante e fazer a reforma agrária.

A tendência é de que o MST se volte mais para os assentamentos ou as pressões por desapropriações de terra seguirão durante o governo Dilma?

Vamos continuar a luta pela terra e fazer um trabalho político mais intenso para organizar a produção nos assentamentos. Não existe uma contradição. Pelo contrário, são dois lados da mesma moeda. E temos boas perspectivas em relação ao governo Dilma em relação ao desenvolvimento dos assentamentos, porque só com políticas de geração de renda os assentados saem da pobreza, com a ampliação da assistência técnico, crédito para produção e a implementação de um programa de agroindústrias

Considerando que os movimentos sociais apoiaram Dilma na eleição, não existe o risco de a adesão ao governo aumentar ainda mais a crise dos movimentos?

Quando um eleitor vota num candidato, ele não adere ao governo. A decisão do voto na eleição é baseada na comparação dos candidatos e dos seus projetos políticos, tendo a perspectiva de que o seu escolhido esteja mais próximo da realização dos seus interesses e da derrota dos seus principais inimigos no pleito. Com os movimentos sociais é a mesma coisa. Apoiamos a eleição de Dilma porque, dentre as forças sociais que sustentaram a candidatura dela, a classe trabalhadora teve um peso importante. Esperamos que essas forças mantenham uma unidade que seja capaz de fazer pressão para enfrentar os setores conservadores.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.