BRASÍLIA (Reuters) - O presidente Luiz Inácio Lula da Silva rejeitou nesta quarta-feira críticas sobre a visita programada do líder do Irã ao país, dizendo que todos os lados devem estar envolvidos para alcançar a paz no Oriente Médio. Você não constrói a paz necessária de ser construída no Oriente Médio se você não conversar com todas as forças políticas e religiosas que querem paz e que se opõem à paz, disse Lula a jornalistas durante entrevista coletiva conjunta com o presidente israelense, Shimon Peres.

A visita de Peres ao Brasil acontece duas semanas antes de o presidente iraniano, Mahmoud Ahmadinejad, desembarcar no país em 23 de novembro.

Líderes judeus criticaram os planos de o governo receber o presidente iraniano, instando o país a condenar a recusa de Ahmadinejad em admitir que o Holocausto existiu e "seu apoio ao terrorismo internacional".

Peres instou o Brasil a usar sua voz cada vez mais presente no cenário internacional para ajudar a conter as ambições nucleares do Irã e seu apoio a grupos militantes palestinos. Em um discurso na terça-feira no Congresso, ele descreveu a República Islâmica como um "perigo global" dedicado a destruir Israel.

O Brasil está em campanha para obter uma vaga permanente no Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU) e adotou uma linha mais conciliatória com o Irã do que os aliados ocidentais, incluindo os Estados Unidos.

Lula instou os líderes ocidentais a parar de desafiar o Irã por seu programa nuclear, escolhendo a via da negociação para alcançar a paz.

Lula também disse que as negociações para adquirir aviões não tripulados de Israel para a proteção das fronteiras brasileiras estavam em estágio avançado, mas não entrou em detalhes.

(Reportagem de Ana Nicolaci da Costa)

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.