Lula reafirma confiança na economia brasileira

Depois de votar na manhã de hoje em São Bernardo do Campo, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva voltou a falar de sua confiança na economia brasileira, destacando que a forte crise que atinge o mercado financeiro internacional poderá chegar ao País como se fosse uma pequena onda. Apesar da avaliação, falou do desejo de que o Congresso Nacional brasileiro discuta o assunto.

Agência Estado |

Questionado se a crise irá afetar o Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), ele foi categórico: "Não". E citou alguns exemplos de iniciativas que não serão interrompidas, como as obras da Petrobras, os projetos de saneamento básico e o leilão do trem-bala. Ele voltou a informar que o leilão para tirar do papel o projeto de construir o trem de alta velocidade para interligar os municípios do Rio de Janeiro, São Paulo e Campinas está previsto para março de 2009.

Ao falar do perfil do eleitor brasileiro, Lula disse que vê mudanças porque o Brasil, além de estar melhor hoje economicamente, está mais amadurecido. Além disso, citou que as pessoas que eram levadas a tomar alguma decisão por pressões (como a compra de voto) hoje são formadoras de opinião. E argumentou que isso é resultado do bom desempenho da economia em seu governo.

Na entrevista, o presidente voltou a falar que a candidata de sua legenda na capital paulista, Marta Suplicy - "Uma Nova Atitude para São Paulo" (PT-PCdoB-PDT-PTN-PRB-PSB) -, deverá conseguir os votos necessários para ir ao segundo turno dessa disputa. E ele acredita que ela poderá vencer a disputa pela maior Prefeitura do País. A sua percepção é de que o PT sairá fortalecido dessas eleições municipais.

Lula disse também que a eventual troca de comando na prefeitura de São Bernardo do Campo é importante para haver uma sintonia em torno dos projetos, já que ele aposta na vitória de seu candidato, o ex-ministro do Trabalho Luiz Marinho. Depois de votar, o presidente foi bastante assediado por populares e eleitores. Bem-humorado, ele deu atenção por mais de dez minutos às pessoas, distribuindo abraços, beijos e sorrisos.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG