BRASÍLIA (Reuters) - O presidente Luiz Inácio Lula da Silva defendeu junto a senadores petistas na noite de quinta-feira a necessidade da continuidade da aliança com o PMDB para garantir a governabilidade. Ao contrário da bancada do PT, que chegou a pedir o afastamento do presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), para isentar as investigações das denúncias que atingiram a Casa, Lula entende que a permanência do senador é a garantia da aliança com o PMDB e a continuidade de seu apoio do partido.

"Ele (Lula) não concorda com a nossa proposta de licença temporária. Ele considera que, se o presidente Sarney tiver uma licença temporária, ele dificilmente voltará à presidência do Senado e que este processo vai gerar uma crise política mais profunda", disse a jornalistas nesta sexta-feira o líder do PT, senador Aloizio Mercadante (SP).

"A oposição tem interesse em aprofundar a crise política no Senado", acrescentou.

Na quinta-feira, em discurso no Senado antes do jantar com Lula, Mercadante disse que a crise na instituição não pode ser personalizada em Sarney e que é de responsabilidade dos 81 senadores. Afirmou ainda que sua "combatividade" está a serviço do presidente Lula.

Na própria quinta, Mercadante havia defendido a licença de Sarney, que foi rejeitada pelo presidente do Senado, que disse ao PT que renunciaria ao cargo, mas não se afastaria. A bancada se reúne novamente na terça-feira. Dos 12 senadores petistas, havia ao menos cinco que defendiam a licença.

"Eu acho que nós temos que pensar neste momento no custo político para a sociedade e para a instituição", disse a senadora Marina Silva (AC), que durante a semana havia se manifestado a favor da licença para o presidente do Senado.

(Texto de Carmen Munari; Edição de Alexandre Caverni)

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.