Lula quer avaliação após chuvas para novas ações no Rio

BRASÍLIA (Reuters) - Um levantamento real dos prejuízos e dos mortos no Rio de Janeiro por conta das chuvas ainda precisa ser feito, afirmou o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, para que o governo defina novas medidas a serem tomadas. Quando isso for feito, assim que a chuva der uma trégua, não haverá limite para a ajuda. O que é que o governo federal pode fazer? Tudo que for necessário fazer, tudo. Nessas horas não tem limite de ajuda, não tem limite de solidariedade. Tudo aquilo que for necessário fazer para reparar o que aconteceu no Rio de Janeiro, nós iremos fazer, disse Lula no seu programa semanal de rádio, Café com o Presidente.

Reuters |

"Vamos esperar que a chuva pare para que o governador e os prefeitos possam fazer um levantamento real dos prejuízos para a gente poder ajudar o Rio de Janeiro ainda mais", concluiu.

Lula destacou já ter enviado ao Congresso uma medida provisória de emergência que destina 200 milhões de reais ao Estado. Também autorizou a utilização de 4 mil casas de melhor qualidade do Programa de Arrendamento Residencial (PAR) a preço de moradias do programa Minha Casa, Minha Vida.

Segundo o presidente, a tragédia seria menor, não fosse a conduta política que permitiu a ocupação irregular em áreas de risco.

"Nos anos passados houve muita irresponsabilidade em permitir que as pessoas construíssem casas em lugares inadequados, ou seja, em cima de lixões, na encosta de morros, na beira de córregos, ou seja, tudo que poderia ser evitado no começo as pessoas deixaram, certamente por conta da política, e quando acontece uma chuva dessas nós vemos a catástrofe que aconteceu no Rio de Janeiro."

O Estado foi atingido por fortes chuvas na última semana. O número de mortos, segundo último balanço das autoridades, chegava a 229, sendo 146 dessas vítimas fatais em Niterói. A cidade foi a mais atingida do Estado, onde um deslizamento de um morro soterrou dezenas de casas na última quarta-feira. As moradias foram construídas sobre um lixão. Os bombeiros ainda trabalham no resgate.

(Reportagem de Maria Carolina Marcello)

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG