SÃO PAULO (Reuters) - O presidente Luiz Inácio Lula da Silva voltou a propor nesta segunda-feira, no programa Café com o Presidente, que os países ricos empreguem recursos para que os países em desenvolvimento possam ter os meios para reduzir as emissões dos gases de efeito estufa, causadores do aquecimento global. Os países ricos, além de reduzir a emissão de gases de efeito estufa, vão ter que colocar dinheiro para ajudar países em desenvolvimento e (para que ) os países mais pobres possam também assumir metas, mas ao mesmo tempo têm que ter acesso a novas tecnologias e a financiamento, para que os países em desenvolvimento continuem crescendo, disse Lula no programa semanal de rádio.

O tema foi discutido na quinta-feira passada em reunião de países amazônicos em Manaus, que contou com a presença da França.

A cúpula, mesmo que esvaziada, foi uma prévia dos países da região para a conferência mundial do clima, marcada para dezembro em Copenhague, capital da Dinamarca. Na cúpula de Manaus, os países pedem "financiamento adequado" para a proteção da região amazônica.

O presidente Lula afirmou ainda que depois que o Brasil fixou o compromisso para a redução de gases estufa, entre 36,1 e 38,9 por cento até 2020, os Estados Unidos e a China também anunciaram suas metas.

"Olha, você pode ter diferenças e nuances diferentes entre os números que os países vão apresentar. Mas um passo importante é que já está claro que todos os países terão que assumir responsabilidade, porque o aquecimento global é da responsabilidade de todos os países do mundo", declarou Lula.

O presidente está em Estoril, em Portugal, para participar da 19a Cúpula Ibero-Americana, onde serão discutidos os tema de inovação e conhecimento. O encontro deve reunir países latino-americanos, Portugal e Espanha.

(Reportagem de Carmen Munari)

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.