Lula prega favoritismo de Dilma em eleição presidencial

BRASÍLIA (Reuters) - O presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse nesta quinta-feira que Dilma Rousseff, pré-candidata do PT à Presidência da República, é a favorita para ganhar a eleição de outubro. Ex-ministra da Casa Civil, Dilma recebeu nesta noite o apoio do PCdoB à sua candidatura. Ela está em segundo lugar nas pesquisas de intenção de voto, atrás de José Serra (PSDB), ex-governador de São Paulo.

Reuters |

"Acho que não vamos ter uma campanha fácil. Mas, se depender dos times que estão em campo, nós nunca tivemos uma tão fácil", afirmou o presidente durante discurso no evento promovido pelo PCdoB.

"Não porque os adversários sejam fracos, porque nós somos mais fortes, nós estamos mais preparados, nós temos história."

Chamando Dilma de "a próxima presidenta do Brasil", Lula afirmou que não há ninguém mais preparado do que a ex-ministra para governar o país. Ele destacou ainda que um dos principais desafios dos partidos aliados durante a campanha será combater o preconceito contra as mulheres.

Para Lula, os líderes de outros países terão a oportunidade de sentir a firmeza que Dilma terá ao negociar temas de interesse nacional, como a busca do Brasil por uma vaga permanente no Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU).

"Eles acham que eu sou duro nas negociações? Espera a Dilminha chegar", brincou Lula com a fama de durona da pré-candidata.

JUSTIÇA ELEITORAL

Lula também criticou a judicialização da política. Ele lembrou que fora multado duas vezes pela Justiça por propaganda eleitoral antecipada, e defendeu a realização de uma reforma política como forma de reduzir a influência dos tribunais no processo político.

Ele disse que, depois de deixar a Presidência, terá mais liberdade para dar suas opiniões como pessoa física, sem estar representando uma instituição.

"Nós não podemos ficar subordinados a cada eleição a que o juiz diga o que a gente pode ou não pode fazer", destacou Lula.

(Reportagem de Fernando Exman e Maria Carolina Marcello; Edição de Bruno Marfinati)

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG