manter o regime de urgência para a tramitação do marco regulatório do pré-sal no Congresso ¿esticou a corda¿ com a oposição, que promete radicalizar o debate nos 90 dias de tramitação da matéria. PSDB e Democratas (DEM) afinaram o discurso sobre como atuarão a partir de agora nos debates do pré-sal e na condução do dia a dia legislativo." / manter o regime de urgência para a tramitação do marco regulatório do pré-sal no Congresso ¿esticou a corda¿ com a oposição, que promete radicalizar o debate nos 90 dias de tramitação da matéria. PSDB e Democratas (DEM) afinaram o discurso sobre como atuarão a partir de agora nos debates do pré-sal e na condução do dia a dia legislativo." /

Lula mantém urgência e oposição promete radicalizar debate sobre pré-sal

Brasília - A decisão do presidente Luiz Inácio Lula da Silva de http://ultimosegundo.ig.com.br/brasil/2009/09/03/lula+mantera+urgencia+nos+projetos+do+pre+sal+dizem+lideres+petistas+8240937.html target=_topmanter o regime de urgência para a tramitação do marco regulatório do pré-sal no Congresso ¿esticou a corda¿ com a oposição, que promete radicalizar o debate nos 90 dias de tramitação da matéria. PSDB e Democratas (DEM) afinaram o discurso sobre como atuarão a partir de agora nos debates do pré-sal e na condução do dia a dia legislativo.

Redação com Agência Brasil |

O presidente subestima mais uma vez o Congresso. Ele subestima todo mundo, não só a oposição como também os parlamentares de sua base. Ele foi além dos limites, disse o presidente do PSDB, Sérgio Guerra (PE).

Para ele, não haverá outro caminho para os partidos defensores do debate aprofundado, sem a definição do prazo de 90 dias para a aprovação dos projetos na Câmara e no Senado, que não seja o de radicalizar suas ações no Parlamento, inclusive com obstruções

O líder do DEM, José Agripino Maia (RN), afirmou que a decisão de Lula esticou a corda entre as duas correntes que se estabeleceram no Congresso: a dos parlamentares que querem empurrar um modelo [para exploração do petróleo na camada pré-sal] goela abaixo e a dos que pretendem buscam esclarecimentos desse modelo.

José Agripino ressaltou que a oposição e eventuais parlamentares da base que defendem um debate sem prazo pré-estabelecido usarão todos os mecanismos legislativos para dar oportunidade à sociedade de esclarecer o assunto. Nós não vamos abrir mão do debate.

"Prioridade para o País"

Em reunião com líderes da base aliada, na manhã desta quinta-feira, Lula disse, segundo os senadores Aloizio Mercadante, líder do PT no Senado, e Ideli Salvatti, que manterá o pedido de urgência para os quatro projetos relacionados ao novo marco regulatório do pré-sal, apesar dos protestos da oposição e de ponderações de alguns líderes governistas.

"O presidente está convencido que o assunto é prioridade sim. É urgente e prioritário. Portanto, ele não se sensibilizou, não se demoveu da posição. (...) O presidente colocou de forma muito clara. Ele continua absolutamente convencido da urgência da tramitação das matérias, afirmou Ideli.

Por esse regime, a Câmara tem 45 dias para apreciar as propostas e o Senado, outros 45. Passado esse prazo, a pauta fica "trancada" e nenhum outro projeto pode ser votado.

Obstrução

O presidente da Câmara, Michel Temer (PMDB-SP), disse que agora cabe a ele mesmo administrar esse problema ", já que a oposição avisou que vai obstruir as votações em plenário e nas comissões.

É intrinsecamente uma matéria urgente, em qualquer hipótese tramitaria com urgência. Mantido o regime de urgência é preciso verificar, é uma questão política, o governo tomou uma posição, a oposição outra, a mim cabe administrar esse problema na Câmara.

Temer evitou falar se seria um erro de estratégia do governo manter a urgência constitucional.

Entenda


Leia mais sobre:

Câmara - pré-sal


    Leia tudo sobre: pré-sal

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG