Lula e Serra tomam vacina e falam do caso Isabella

O presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva disse hoje estar preocupado com a pirotecnia que toma conta da investigação sobre a morte da menina Isabella. São 24 horas por dia tocando no assunto.

Agência Estado |

Para Lula, o grave é que, mesmo que o casal seja inocente, já está condenado. "É preciso tomar cuidado com essas coisas, porque são vidas que estão em jogo e vidas destruídas que dificilmente se recuperarão", disse o presidente, em entrevista coletiva na abertura da campanha de vacinação ao idoso contra gripe.

Ainda assim, Lula disse que o crime é uma coisa bárbara e que o que todos querem é que a polícia descubra quem o praticou e que seja severamente punido. "A polícia de São Paulo tem inteligência suficiente para apurar isso com muita competência", finalizou.

o governador de São Paulo, José Serra, também presente na abertura da campanha, elogiou o trabalho das polícias Civil e Científica nas investigações do caso. "Fizeram a parte delas e muito bem. Agora cabe ao Ministério Público e à Justiça examinar as provas recolhidas", disse

Vacina

Serra chegou às 10h45 à Unidade Básica de Saúde Santa Terezinha, em São Bernardo, acompanhado do secretário estadual de Saúde, Barradas Barata. Lula chegou dez minutos depois, acompanhado de dona Marisa e dos ministros José Gomes Temporão, da Saúde, e Luiz Marinho, da Previdência, pré-candidato do PT à prefeitura de São Bernardo.

Lula ressaltou a importância da campanha e disse que toma a vacina contra a gripe há três anos e que nunca contraiu a doença nesse período. Serra destacou que, em São Paulo, os postos de saúde também aplicam as vacinas contra difteria, tétano e a pneumocócica, além de fazer exame de câncer de boca.

    Leia tudo sobre: isabella

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG