Lula e Sarney evitam imprensa após reunião sobre crise no Senado

O presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), se encontrou no fim da manhã desta sexta-feira com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva no Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB), sede provisória do governo federal. A reunião, que tinha como objetivo definir o posicionamento da bancada do PT frente os pedidos de afastamento de Sarney da presidência do Senado, começou às 12h20 e terminou às 13h35. Ao fim do encontro, Lula e Sarney evitaram a imprensa e não comentaram a reunião.

Redação com Agência Estado |

  • Veja os 663 atos secretos do Senado
  • Sarney apresenta certidão do TCU atestando que mansão está em seu IR
  • Mande seu recado para os senadores e deputados
  • Virgílio diz que Sarney 'não manda mais' no Senado
  • Sarney oculta da Justiça Eleitoral casa de R$ 4 milhões

  • Agência Senado
    Na quarta-feira, a imprensa já não teve contato com Sarney

    Na quarta-feira, a imprensa já não
    teve contato com Sarney

    Na chegada, o peemedebista entrou por uma porta privativa para não falar com a imprensa. O encontro já estava previsto desde quarta-feira, quando Sarney ameaçou renunciar à presidência da Casa por causa das pressões de senadores.

    No entanto, Lula, que estava na Líbia, pediu, por intermédio da ministra da Casa Civil, Dilma Rousseff, que, antes de qualquer decisão, Sarney o aguardasse, para uma reunião.

    Acreditava-se que o encontro aconteceria, então, na quinta-feira, assim que Lula chegasse ao País, mas foi adiado para hoje. O presidente quis se reunir primeiro com a bancada do PT no Senado para deixar claro, segundo o senador Aloizio Mercadante (PT-SP), que o governo precisa e quer a aliança com o PMDB , partido de Sarney.

    Apoio oficial do PT

    A bancada do PT só vai fazer uma manifestação oficial de apoio à permanência de Sarney na terça-feira. A previsão inicial era de que o partido se manifestasse hoje, mas diante da nova denúncia contra o presidente da Casa de que ele teria omitido nas declarações feitas à Justiça Eleitoral uma casa em Brasília avaliada em R$ 4 milhões , o partido resolveu adiar sua declaração.

    Na tarde desta sexta-feira, no entanto, a assessoria da presidência do Senado divulgou nota à imprensa com uma certidão do Tribunal de Contas da União . No documento, o secretário Alessandro Laranja atesta que a mansão do senador José Sarney (PMDB-AP) consta em suas declarações de imposto de renda dos anos-calendário 1999 a 2007.

    Isso não significa que a bancada pretenda se rebelar contra as ponderações do presidente Lula. Os petistas deixaram claro que não haverá confronto com Sarney para não comprometer a governabilidade nem o projeto do partido para a sucessão de 2010, em que o PMDB é um aliado estratégico. O adiamento foi apenas uma cautela na expectativa de que alguma nova denúncia possa surgir e, com isso, o presidente Sarney decida, por ele mesmo, se licenciar do cargo.

    Leia também:



    Opinião

  • Claudio Abramo: Fica, Sarney
  • Luis Nassif: a biografia de Sarney
    • Leia tudo sobre: crisesarneysenado

      Notícias Relacionadas


        Mais destaques

        Destaques da home iG