PONTA PORÃ, MS (Reuters) - Paraguai e Brasil pedirão na terça-feira aos seus sócios do Mercosul autorização para que o bloco financie uma nova linha de transmissão elétrica no território paraguaio, uma obra de 400 milhões de dólares prevista num acordo bilateral de julho passado.

A proposta, para acelerar o início dos trabalhos, surgiu nesta segunda-feira, em reunião na qual os presidentes Luiz Inácio Lula da Silva e Fernando Lugo revisaram o acordo.

" /

PONTA PORÃ, MS (Reuters) - Paraguai e Brasil pedirão na terça-feira aos seus sócios do Mercosul autorização para que o bloco financie uma nova linha de transmissão elétrica no território paraguaio, uma obra de 400 milhões de dólares prevista num acordo bilateral de julho passado.

A proposta, para acelerar o início dos trabalhos, surgiu nesta segunda-feira, em reunião na qual os presidentes Luiz Inácio Lula da Silva e Fernando Lugo revisaram o acordo.

" /

Lula e Lugo pedirão que Mercosul financie obra no Paraguai

PONTA PORÃ, MS (Reuters) - Paraguai e Brasil pedirão na terça-feira aos seus sócios do Mercosul autorização para que o bloco financie uma nova linha de transmissão elétrica no território paraguaio, uma obra de 400 milhões de dólares prevista num acordo bilateral de julho passado.

A proposta, para acelerar o início dos trabalhos, surgiu nesta segunda-feira, em reunião na qual os presidentes Luiz Inácio Lula da Silva e Fernando Lugo revisaram o acordo.

Reuters |

PONTA PORÃ, MS (Reuters) - Paraguai e Brasil pedirão na terça-feira aos seus sócios do Mercosul autorização para que o bloco financie uma nova linha de transmissão elétrica no território paraguaio, uma obra de 400 milhões de dólares prevista num acordo bilateral de julho passado.

A proposta, para acelerar o início dos trabalhos, surgiu nesta segunda-feira, em reunião na qual os presidentes Luiz Inácio Lula da Silva e Fernando Lugo revisaram o acordo.

Brasil e Paraguai são sócios da hidrelétrica de Itaipu, e a linha de transmissão de 500 kV entre a usina e uma cidade próxima a Assunção permitirá que o país --que meses atrás passou por uma crise energética-- use mais eletricidade da hidrelétrica.

Os estudos técnicos preliminares já começaram, e Lula prometeu voltar a Assunção dentro de alguns meses para inaugurar oficialmente o projeto, cuja conclusão está prevista para o final de 2012.

"Hoje demos mais um passo nesta direção ao definir os mecanismos para a construção da linha de transmissão entre a margem direita de Itaipu e a cidade de Villa Hayes", disse Lula após a cerimônia realizada numa base militar.

"Isto permitirá que o Paraguai utilize a energia que lhe cabe na produção global de Itaipu para sua industrialização e o bem estar de sua população."

Lugo disse que a obra permitirá reduzir gradativamente o predomínio do modelo econômico agroexportador, com o fortalecimento do modelo industrial. "Celebramos a intenção do Brasil de contribuir com o desenvolvimento do Paraguai", disse o presidente paraguaio.

Diretores da hidrelétrica confirmaram mais tarde que a obra, que em princípio seria financiada exclusivamente pelo Brasil, agora contará provavelmente com verbas do Fundo de Convergência Estrutural do Mercosul (Focem).

O assunto deve ser levado por Lula e Lugo aos seus colegas Cristina Kirchner (Argentina) e José Mujica (Uruguai), durante a cúpula de terça-feira do bloco regional Unasul em Buenos Aires.

VIOLÊNCIA

O encontro de segunda-feira aconteceu em Ponta Porã, cidade do Mato Grosso do Sul separada apenas por uma avenida da paraguaia Pedro Juan Cabellero, capital do Departamento de Amambay, onde há grande atuação de grupos de narcotraficantes.

Esse e outros departamentos paraguaios estão desde o mês passado sob estado de exceção, por causa da ação de grupos armados.

Lula manifestou apoio ao seu colega do Paraguai. "Nossa cooperação será fundamental para derrotar a criminalidade, tenha ela a cara que tiver", disse Lula.

"Eu acredito que a única forma de vencer o narcotráfico, de a gente vencer os bandidos que existem por aí, de vencer aqueles que querem afrontar a democracia, é a gente estar de corpo presente oferecendo mais oportunidades, mais chances e mais possibilidades de Brasil e Paraguai crescerem juntos."

(Por Daniela Desantis em Assunção, com reportagem adicional de Mariel Cristaldo)

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG