O presidente Luiz Inácio Lula da Silva aproveita a viagem que fará hoje ao semiárido nordestino como laboratório para avaliar, no seu tradicional reduto eleitoral, a performance da ministra da Casa Civil, Dilma Rousseff. Com a “mãe” do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) a tiracolo, ele sobrevoa um trecho das obras da ferrovia Transnordestina, incluídas no PAC, em Salgueiro, no sertão pernambucano.

Às 10h30, sobe em um palco armado na Praça da Matriz de Salgueiro para apresentar a ministra ao eleitorado local. Por volta de 15 horas, Lula e Dilma sobrevoam as obras da BR-101, também incluídas no PAC, no Recife. Amanhã, o presidente visita projeto de criação de peixes no porto da capital e, no início da tarde, vai a Ceará-Mirim, no Rio Grande do Norte, onde lança uma linha de microcrédito do Banco do Brasil. Dilma não o acompanha na viagem ao Rio Grande do Norte.

Assessores do governo avaliam que o comportamento “firme” de Dilma não será recebido como prepotência ou distância pelo eleitorado do semiárido, mas como o de uma “mãe” exigente e austera. O ministro das Relações Institucionais, José Múcio Monteiro, um dos assessores do presidente que mais conhecem o eleitorado nordestino, diz que, apesar da falta de experiência nas urnas, Dilma vai surpreender na região. Múcio avalia que os novos tempos no semiárido acabaram com a história de que os “machões” só votam em homens. “Ela é o rosto do trabalho. O nordestino é apaixonado por pessoas assim”, afirma. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.