BRASÍLIA (Reuters) - O presidente Luiz Inácio Lula da Silva criticou nesta sexta-feira, antes de embarcar para a Arábia Saudita, a instalação de uma CPI para investigar supostas irregularidades cometidas pela Petrobras. Esta CPI é irresponsável, sem explicação lógica, disse Lula a jornalistas na Base Aérea de Brasília.

A oposição quer que a CPI investigue várias questões, entre elas a manobra tributária realizada pela estatal que reduziu o saldo de imposto a pagar, além de denúncias de irregularidades em contratos para construção e reforma de plataformas e na licitação para obras da refinaria Abreu Lima, em Pernambuco.

O requerimento para a criação da Comissão Parlamentar de Inquérito foi lido no plenário do Senado nesta sexta-feira, dando início ao procedimento para instalar a CPI.

Na véspera, um acordo de líderes previa uma audiência de senadores com o presidente da Petrobras, José Sérgio Gabrielli, em troca da suspensão da CPI. O PSDB, no entanto, afirmou que não participou do acerto e conseguiu dar início ao procedimento para instalar a comissão.

"Não é uma CPI do Congresso. É muito mais uma CPI do PSDB", reagiu o presidente Lula, para quem não houve "cochilo" do governo. "O governo não controla o Congresso Nacional."

"Nem tudo que tem irregularidade precisa de CPI, tem outras formas de investigar", afirmou, defendendo a audiência com o presidente da Petrobras.

Questionado se seria uma forma de antecipação da campanha sucessória de 2010 reagiu: "Assim ninguém ganha eleição. Eu perdi três eleições muito nervoso, quando fiquei calmo ganhei", ironizou.

A ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff, saiu em defesa da Petrobras lembrando que a empresa é fiscalizada pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM) e tem ações também na bolsa de Nova York.

O pedido de CPI tem 32 assinaturas, acima do necessário, mas as adesões podem ser retiradas até a meia-noite.

(Reportagem de Fernando Exman)

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.