Lula diz que adversários copiam idéias de Marta

Na segunda vez que vem a São Paulo para apoiar candidatos do PT às eleições, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse que os adversários de Marta Suplicy, candidata à Prefeitura da cidade pelo partido, copiam suas propostas e depois dizem que as idéias são deles. Depois que a Marta fala, outros candidatos copiam tudo o que ela falou e vão retratando todas as propostas dela como se fossem deles, criticou Lula, durante comício na Vila Nova Cachoeirinha, ao final da Avenida Inajá de Souza com Avenida General Penha Brasil, zona norte de São Paulo.

Agência Estado |

O presidente disse que esses candidatos da oposição que copiam as propostas de Marta Suplicy são os mesmos que o "achincalharam" durante sua campanha eleitoral à Presidência da República, em 2002.

Lula criticou especialmente os candidatos do Partido Democratas (DEM). "Durante o dia, eles fazem duras críticas a meu respeito no Congresso e à noite distribuem santinhos com a minha foto", afirmou.

O presidente declarou também que não tem medo de dizer que governa "para 190 milhões de brasileiros" e que Marta só perdeu na campanha eleitoral anterior "porque fez uma opção por lutar pelos pobres da cidade". "Foi assim que ela governou no primeiro mandato, favorecendo a classe pobre, e isso despertou o ódio em alguns setores", disse Lula.

A situação do País também foi destaque no discurso do presidente, que durou cerca de meia hora. Lula citou que o Brasil "estava numa situação complicada" antes de sua chegada à Presidência. "Nós consertamos este País", afirmou. "Criamos mais empregos do que os outros criaram em oito anos." O presidente também mencionou a redução da inflação e outros avanços na área econômica. "O País ficou 18 anos sem construir máquinas de cimento. Nós já inauguramos dez novas fábricas de máquinas de cimento. Este ano estamos com 600 mil casas construídas, é um recorde."

Lula também fez referência à crise financeira internacional e repetiu que a responsabilidade por ela é do governo dos EUA. "Bush, a crise é sua", afirmou no palanque, referindo-se ao presidente norte-americano, George W. Bush. Lula também reiterou que o Brasil se encontra em situação favorável atualmente e não é afetado pela crise internacional.

Marta Suplicy falou por dez minutos, antes do discurso do presidente. "Nós podemos transformar São Paulo", disse ela, ressaltando que "a cidade é uma oportunidade de sonho e prosperidade". A candidata do PT destacou que cresceram as oportunidades de os jovens da periferia conseguirem ingressar numa faculdade e reiterou a promessa de ampliar a "rede" de Centros de Educação Unificados (CEUs). "Hoje, a juventude sonha e pode realizar seu sonho", afirmou.

Marta disse ainda que "o maior benefício para o povo é um transporte digno" e citou a importância da ampliação do metrô, especialmente na periferia.

O comício começou perto das 10 horas e durou cerca de três horas, até uma chuva forte desabar no local. Estiveram presentes também o presidente da Câmara, Arlindo Chinaglia (PT-SP), o senador Eduardo Suplicy (PT-SP), ex-marido de Marta, e os governadores do Ceará, Cid Gomes, e de Sergipe, Marcelo Déda. Ainda esta tarde, por volta das 17 horas, Lula deverá subir no palanque do candidato do PT à Prefeitura de Mauá (SP), Oswaldo Dias.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG