BRASÍLIA - O presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmou hoje que está entusiasmado diante da afinidade de posições e do compromisso de todos os governantes estabelecidos durante o encontro do G2 financeiro no último sábado em Washington. Em seu programa semanal de rádio Café com o Presidente, Lula lembrou as medidas aprovadas por chefes de Estado e de governo de 19 grandes economias desenvolvidas e emergentes. A primeira, segundo ele, é restabelecer a liquidez e restaurar a confiança no mercado financeiro.

"Todos nós sabemos que, sem crédito, fica muito difícil a economia funcionar", disse.

Outro ponto, de acordo com Lula, é a adoção de "políticas anti-recessivas" para evitar uma grande desaceleração das economias mundiais e do crescimento dos países. "Não queremos que o desemprego chegue à América Latina ou ao Brasil, sobretudo, porque a nossa economia está muito mais arrumada do que a economia deles", destacou.

A regulação do sistema financeiro internacional também foi citada pelo presidente, que voltou a insistir que as economias não devem funcionar como "cassinos", mas ajudar o setor produtivo a gerar empregos, comércio e consumo.

" Do jeito que alguns países estavam permitindo que o sistema financeiro funcionasse, sem nenhum controle, aconteceu o que aconteceu. E eu penso que as medidas que nós tomamos por unanimidade foram extremamente importantes para que a gente possa controlar o sistema financeiro e evitar que eles continuem a prática do cassino", avaliou.

(Agência Brasil)

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.