Lula descarta ajuda a banco e diz que prioriza setor produtivo

SÃO PAULO (Reuters) - O presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmou nesta terça-feira que a ajuda do governo para combater os efeitos da crise financeira tem como prioridade o setor produtivo, por ser gerador empregos. Ele criticou os empréstimos de dinheiro realizados pelos Estados Unidos às instituições financeiras por não terem conseguido evitar o desemprego norte-americano. Vocês viram essa quebradeira que teve nos EUA. Somente as bolsas de valores perderam em três meses 31 trilhões de dólares, que desapareceram do mapa. E o dinheiro que os governantes passaram para cuidar dos bancos em três meses foi de 600 bilhões de dólares, que, se tivesse sido jogado na produção, a gente não teria desemprego nos EUA , não teria desemprego na Europa e em outros países, disse Lula em discurso, ao comentar os valores envolvidos na turbulência financeira dos EUA neste ano.

Reuters |

"Aqui, não tivemos esse problema. Nós não passamos dinheiro para banco. Se tivermos que passar dinheiro, vamos passar para gerar alguma coisa que produza um produto que produza um emprego e que produza um salário", adiantou.

O presidente manteve o otimismo dos últimos meses ao afirmar que o Brasil está preparado para combater os efeitos da crise e exemplificou com o destino das exportações. Disse que o país diversificou os mercados para onde exporta seus produtos, deixando de depender dos maiores compradores mundiais, os EUA e a União Européia, e aumentando os embarques para a América Latina, a Ásia, o Oriente Médio e a África.

Lula ainda alertou os empresários para não demitirem os trabalhadores. "Em dois anos, de janeiro de 2007 a outubro de 2008, criamos 4 milhões de empregos com carteira assinada e queremos manter. Se alguns empresários estão mandando gente embora, é precipitação", declarou, responsabilizando mais uma vez os "especuladores" pelos problemas financeiros mundiais.

As declarações foram feitas pelo presidente em confraternização de fim de ano com catadores de material reciclado e população de rua, realizada na quadra do sindicato dos bancários em São Paulo. Esta foi a sexta vez que Lula participou do evento.

Para trazer o tema da crise à realidade dos catadores, Lula disse que o preço da sucata caiu porque as siderúrgicas estão comprando menos para reduzir a produção de aço.

Cercado pelos participantes, Lula chegou a dançar ao som de música ao vivo, segurando a bandeira nacional. "A gente nunca pode esquecer a origem da gente", disse o ex-metalúrgico.

(Reportagem de Carmen Munari)

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG