BRASÍLIA (Reuters) - O presidente Luiz Inácio Lula da Silva defenderá no Fórum Econômico Mundial a reforma do sistema financeiro internacional, a conclusão da rodada de Doha e uma reforma abrangente da Organização das Nações Unidas. As informações foram dadas nesta terça-feira pelo porta-voz da Presidência, Marcelo Baumbach. O presidente voltará a defender a urgência da reforma da arquitetura financeira internacional e a busca de lançar bases para uma nova governança, afirmou.

Lula embarca na quarta-feira para Davos, na Suíça. Durante o Fórum, o presidente falará da experiência do Brasil para enfrentar a crise financeira.

"O presidente sublinhará a urgência de um processo abrangente de reforma da ONU, de modo a mantê-la no centro da ordem mundial", acrescentou Baumbach.

A primeira participação de Lula no Fórum foi em 2003, mas desde 2006 o presidente não comparece ao evento. Nesta noite, ele participa de evento da 10a edição do Fórum Social Mundial, em Porto Alegre.

(Reportagem de Natuza Nery)

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.