Lula defende uso livre da internet na campanha eleitoral

BRASÍLIA ¿ O presidente Luiz Inácio Lula da Silva defendeu nesta segunda-feira a liberdade do uso da internet durante as campanhas eleitorais. Segundo ele, deve-se dar o direito ao internauta de navegar livremente e ¿descobrir mais coisas¿ a respeito dos candidatos.

Christian Baines, repórter em Brasília |

Ao ser questionado sobre a reforma eleitoral, que entre outras coisas, pretende regulamentar o uso da internet nas campanhas, Lula fez referência aos anos de militância para criticar um possível cerceamento à liberdade.

Divulgação
Lula discursa na chegada a Boa Vista, em Roraima
Lutamos a vida inteira pela liberdade, liberdade política, liberdade de expressão, liberdade de comunicação, e começam a tirar isso. (...) Acho que [o uso da internet nas eleições] tem de ser livre mesmo. É importante que as pessoas saibam sobre seus candidatos. (...) Vamos dar ao internauta o direito de viajar e descobrir mais coisas, afirmou em entrevista a rádios do Estado de Roraima.

Em trâmite no Senado, a reforma eleitoral ainda não é um consenso entre os parlamentares e a votação de suas emendas no plenário da Casa foi adiada por duas ocasiões. Em relação à internet, a matéria prevê a liberação do uso de blog e do microblog Twitter pelos candidatos, permite inserções publicitárias eleitorais para os candidatos a Presidência República em sites de notícia, mas limita a emissão de opiniões em sites noticiosos.

Lula defendeu sua posição afirmando que é impossível controlar a web e que o acesso da população à informação é muito maior hoje justamente por causa dela. Primeiro, seria impossível você imaginar que vai controlar a internet. A internet é uma coisa que fugiu ao controle. (...) Ao invés de proibir, o que nós devemos fazer é responsabilizar quem usa a internet, para que a gente possa ter um instrumento de conhecimento que o povo não conheceu, que está conhecendo nessa geração agora.

Eu vejo um menino hoje, a capacidade de instrumento que ele tem de acesso à informação é uma coisa que a gente não tinha no século 20.  Tentar proibir isso acho que é uma loucura, completou.

Votação da reforma eleitoral

Todas as atenções do Senado nesta semana estão voltadas para a votação das emendas feitas em plenário no projeto de lei da reforma eleitoral. Na última quinta-feira, a votação foi adiada depois da votação do texto-base.

O presidente do Senado, senador José Sarney (PMDB-AP), resolveu transferir a discussão para esta terça-feira alegando que haviam sido feitas mais de dez emendas no plenário. Também não houve quorum para votação. Até os relatores da matéria não estavam na sessão .

Leia também:

Leia mais sobre: Lula - reforma eleitoral

    Leia tudo sobre: lulareforma eleitoralsenado

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG