Lula defende candidato único e eleição plebiscitária

Gostaria que tivéssemos apenas um candidato, que fizéssemos uma eleição plebiscitária - pão pão, queijo queijo. A defesa incisiva foi feita hoje pelo presidente Luiz Inácio da Silva durante sua visita a Floresta, no sertão pernambucano, onde vistoriou o canteiro de obras na tomada dágua do eixo leste da transposição do São Francisco.

Agência Estado |

"Se não for possível, paciência", completou ele, ao deixar claro, no entanto, que no que depender dele, sua sucessão será disputada por um representante da situação e um da oposição.

Indagado sobre a possibilidade de dois palanques presidenciais em Pernambuco - com as candidaturas da ministra Dilma Rousseff (PT) e do deputado federal Ciro Gomes (PSB) - ele brincou: "não vê que a Dilma e o Ciro estão sempre juntinhos?"

Confiante na relação construída com os governadores de Pernambuco, Eduardo Campos, e do Ceará, Cid Gomes, ambos do PSB, acredita que haverá entendimento nacional em torno de um só candidato. "Não me vejo indo a Pernambuco sem estar no palanque de Eduardo, não me vejo indo ao Ceará sem estar no palanque de Cid".

"Vamos trabalhar, temos seis meses para maturar, muita coisa vai acontecer, vamos maturar", observou na expectativa de poder anunciar um só candidato.

Obra irreversível

O presidente considerou a obra da transposição do São Francisco "irreversível", independente de quem venha a sucedê-lo. "Vamos ter (em 2010) um canal pronto (eixo leste) e outro com mais ou menos 70% (eixo norte) pronto", observou.

"Acho que as pessoas que vierem depois de mim vão terminar e fazer outras obras mais importantes ainda", afirmou ao destacar que pretende deixar "uma prateleira de projetos e dinheiro previsto no orçamento para que quem vier possa começar bombando, trabalhando muito, porque o Brasil aprendeu a gostar de crescer, o povo aprendeu a gostar de trabalhar".

Crescimento

"Não há possibilidade de o Brasil parar de crescer", destacou ao citar que o Brasil irá gerar mais de um milhão de empregos neste ano, de recessão internacional. "Aprendemos que este País só se transformará numa grande potência se não parar de crescer e para não parar de crescer o Estado tem que ter capacidade de investimento, de planejamento, precisa trabalhar junto com governadores e com prefeitos". Por isso, segundo ele, agora será necessário um novo PAC - 2011/2015 - para a Copa do Mundo e a Olimpíada. "Até 2016, vamos ter tarefas incomensuráveis para fazer neste País", afirmou. "E agora com o pré-sal nem me fale". "O próprio Banco Mundial estima que em 2016 o Brasil será a quinta economia do mundo", lembrou.

Oposição

Lula voltou a criticar seus opositores ao afirmar que se dependesse da oposição ele não faria nem o primeiro PAC. "O que a oposição quer é que o País pare para eles terem razão e o que a situação quer é trabalhar mais para não dar razão para a oposição". O dado concreto, segundo o presidente, é que a oposição teve chance de fazer e não fez. "Nós estamos fazendo".

Ainda sobre a obra da transposição, o presidente disse ser possivelmente a obra mais importante do Nordeste, mais do que a Transnordestina e mais do que a refinaria de Pernambuco, e as refinarias que serão instaladas em Fortaleza e São Luís do Maranhão. "Por uma razão: trata de um direito elementar e básico do mundo animal e do ser humano que é água para beber. Não é possível que as pessoas não se deem conta que a gente não pode ficar a cada verão chorando a seca no Nordeste brasileiro".

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG