Lula coloca pressão sobre Congresso para aprovação do pré-sal

BRASÍLIA (Reuters) - O presidente Luiz Inácio Lula da Silva aproveitou eventos relacionados ao Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) nesta quinta-feira para colocar pressão sobre os parlamentares para a aprovação dos projetos do pré-sal. Para Lula, o futuro do país como grande potência mundial depende da aprovação do marco regulatório do pré-sal pelo Congresso Nacional. O presidente acrescentou que as novas reservas de petróleo não são mais da Petrobras e nem das empresas particulares, mas do povo brasileiro.

Reuters |

"Agora vai depender dos nossos deputados e dos senadores aprovar o modelo de partilha que está lá (no Congresso) para que daqui a 10 ou 15 anos este país se transforme numa grande potência, acabe com o analfabetismo e dê a este povo a dignidade que nós merecemos", disse Lula em Fortaleza.

O projeto que institui o regime de partilha para o pré-sal é o coração da proposta do marco regulatório do petróleo enviada pelo Executivo.

Antes, na cidade de Sobral, onde participou de uma inauguração de escolas técnicas, Lula exaltou a criação do fundo social a ser criado com recursos da exploração das novas reservas de petróleo.

Ele reafirmou que o governo não quer gastar mal o dinheiro como ocorreu em outros grandes produtores petróleo.

"A gente não quer fazer o que já vimos de experiência em outros países. Pegar o dinheiro e a gente torrar ele à toa nos gastos comuns do governo", disse.

O fundo a ser criado com recursos da exploração do pré-sal deverá ser usado nas áreas de ciência e tecnologia, educação, combate à pobreza, cultura e meio ambiente.

JUVENTUDE NA POLÍTICA

Num contexto de crise ética e de prestígio que o Senado vem enfrentando desde o início do ano, o presidente Lula disse que o jovem tem de entrar na vida pública ao invés de desanimar na busca de um político ideal.

"O político perfeito que vocês querem pode não estar em mim, mas pode estar dentro de vocês", aconselhou Lula.

Lula argumentou que não tem como o país evoluir se não acontecer uma renovação do quadro de governantes.

"O país não dá certo se a gente não for renovando e melhorando cada vez mais os quadros dirigentes de uma prefeitura, de um estado ou de uma república como o Brasil", completou.

(Por Ana Paula Paiva)

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG