BRASÍLIA - O presidente Luiz Inácio Lula da Silva comemorou nesta quinta-feira o lançamento da estratégia nacional de Defesa, que foi apresentada no Palácio do Planalto, após 15 meses de discussão. Segundo o presidente Lula, a partir de agora o País poderá acreditar que em breve não irá mais depender de fornecedores estrangeiros para comprar equipamentos de defesa.

Acordo Ortográfico

"Finalmente a gente vai poder acreditar que daqui a alguns anos não vamos mais precisar comprar equipamentos de países tão distantes de nós, porque seremos capazes de produzir eles [equipamentos] para a nossa América do Sul. Temos que depender apenas de tecnologia nacional", acrescentou Lula.

Durante o lançamento da Estratégia Nacional de Defesa, que prevê  reorganização das três Forças Armadas (Marinha, Exército e Aeronáutica) e a reestruturação da Indústria Brasileira de Material de Defesa, o presidente afirmou que o objetivo do governo foi atingido. "A estratégia nacional de Defesa já foi apresentada ao conselho de Defesa Nacional e lá recebeu aprovação unânime. Estamos cumprindo uma etapa extremamente importante, não apenas das Forças Armadas, mas também do Ministério da Defesa", ressaltou.

Em seu discurso, Lula pediu também a compreensão do Congresso Nacional para a realização de um debate "forte" sobre o tema nas duas casas. "Temos que prosseguir trabalhando intensamente para transformar tudo que foi pensado e discutido em um projeto de lei e em um plano detalhado. Vamos precisar da compreensão dos deputados e senadores, porque grande parte do que está no programa vai ser transformada em projetos de lei e através do Congresso precisamos fazer um debate mais contundente do que já foi feito", disse Lula.

O presidente observou ainda que os militares devem ser respeitados e tratados com dignidade. "As Forças Armadas devem ser tratadas com o respeito que merecem de todos nós cidadãos brasileiros. O militar não pode ser visto apenas como um soldado, mas como um cidadão brasileiro cumprindo uma missão constitucional", disse.

Leia mais sobre: Forças Armadas

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.