MADRI ¿ O escritor Luís Fernando Veríssimo volta a se encontrar com os leitores espanhóis com Borges e os Orangotangos Eternos, uma homenagem ao autor argentino Jorge Luis Borges, a quem transforma em detetive de um assassinato.

Veríssimo atribuiu sua "ligação cultural" com a Argentina à proximidade de sua cidade natal, Porto Alegre (RS), com a fronteira argentina.

Admirador declarado de Borges e de sua literatura, Veríssimo escolheu o autor de "O Aleph" quando lhe ofereceram a oportunidade de escrever um romance no qual um autor reconhecido devia protagonizar uma história.

Desta forma, Borges, junto com o narrador do romance, um judeu alemão que emigrou para a América, se transformam em detetives de um assassinato cometido em Buenos Aires durante a realização do congresso anual da Israel Society.

Trata-se de uma enigmática entidade que reúne um grupo de especialistas no escritor Edgar Allan Poe, que acaba de cumprir 200 anos de nascimento.

Além disso, há a circunstância de que Borges era admirador de Poe e de seus contos, que percorrem da primeira à última pagina o romance de Veríssimo. Para o autor brasileiro, Poe é o verdadeiro inventor do "romance policial e do narrador no qual não se pode confiar".

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.