Lugo quer encontro sobre energia com Lula durante cúpula de Lima

ASSUNÇÃO (Reuters) - O presidente eleito do Paraguai, Fernando Lugo, disse nesta terça-feira que tentará marcar um encontro sobre energia com o colega brasileiro, Luiz Inácio Lula da Silva, na cúpula presidencial que ocorrerá na próxima semana, em Lima. Lugo, ex-bispo católico de 56 anos, foi eleito em 20 de abril com a promessa de renegociar o preço da energia elétrica que o Paraguai vende ao Brasil e à Argentina, sócios nas usinas de Itaipu e Yacyretá, respectivamente.

Reuters |

O presidente eleito, que interrompe seis décadas de governo do conservador Partido Colorado, assumirá o cargo em 15 de agosto, representando uma coalizão de partidos e movimentos sociais de centro-esquerda.

A negociação dos tratados energéticos foi um dos principais tópicos da campanha de Lugo, que participará junto com o atual presidente, Nicanor Duarte Frutos, da quinta Cúpula de Chefes de Estado e de Governo da América Latina, Caribe e União Européia.

'Teremos a oportunidade, possivelmente (de um encontro com Lula). Não sei se a agenda e o tempo permitem na cúpula de 16 de maio, mas eu acho que esse é um tema inevitável e também com a Argentina', disse Lugo a jornalistas na sede de seu movimento.

'Sabem que nossa campanha focou nisso e vai ser um tema inevitável em todos os encontros e nas cúpulas que tivermos com os dois presidentes, tanto do Brasil quanto da Argentina', acrescentou.

Em encontro com Lula em Brasília antes das eleições, no começo de abril, Lugo acertou com o governo brasileiro a criação de uma equipe técnica para avançar as negociações.

'O tema está instalado no Paraguai, no Brasil... Nós estamos montando a equipe de técnicos para a partir de 16 de agosto podermos armar essa mesa.'

O presidente eleito tinha uma reunião prevista nesta terça-feira com o ministro da Defesa do Brasil, Nelson Jobim, que está em visita a Assunção.

'O problema de Itaipu é um problema que vai ser resolvido com os presidentes, não com as armas', disse Jobim após uma reunião com seu colega paraguaio após pergunta sobre exercícios militares na fronteira com o Paraguai em meio à questão da energia.

(Reportagem de Mariel Cristaldo)

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG